Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Fernanda Barbosa

Emagrecer, mudar de emprego, começar uma atividade física, encerrar um relacionamento abusivo, realizar a viagem dos sonhos... Quem nunca se fez algumas dessas promessas, dessas resoluções de "Ano Novo"? Melhor do que a sensação de fazer planos é conseguir cumpri-los, por isso, às vésperas de 2020, o Cadaminuto ouviu de uma psicóloga orientações sobre como alcançar as metas propostas e histórias inspiradoras de quem chegou lá.

“Não existem segredos, é preciso ter vontade e foco na mudança. O primeiro passo é ter consciência que existe um processo e que a recompensa não é imediata. Tendo consciência disso é importante parar de focar no passado, tudo bem se até aqui você não conseguiu viver essa mudança, o fato é que de tanto repetir esse hábito você se acostumou com ele, mas é importante dizer para si mesmo que não é refém de quem foi até hoje, mas pode mudar de agora em diante”, destacou a psicóloga Fernanda Barbosa.

Segundo ela, para obter êxito nas resoluções é preciso ainda dialogar com o próprio cérebro, mostrando sempre a importância da mudança em longo prazo e lembrando os malefícios de continuar da forma que está hoje. “Além disso, é importante dividir as atividades em pequenos passos, para que assim o cérebro não veja aquela atividade enorme como algo impossível e logo desanime com o longo caminho que irá percorrer”, completou.

Questionada sobre os motivos pelos quais tantos planos não saem do papel, a psicóloga explicou que o principal fator que interfere no processo é que nós estamos acostumados a ter a recompensa das nossas ações de imediato: “Estamos focados na recompensa e tais metas levam tempo para serem recompensadas, na verdade antes disso vem o pagamento para gerar a mudança, por exemplo, no caso de emagrecer será preciso pagar o preço de ir à academia, fazer a dieta e só depois receberá a recompensa de ter o corpo desejado. No entanto, estamos mais acostumados a receber a recompensa antes, como o prazer em comer aquele brigadeiro e pagar o preço só depois, que neste caso seria engordar, é como comprar algo no cartão de crédito, você recebe a mercadoria, mas só paga a fatura depois”.

Estabelecer prazos para alcançar as metas também é extremamente importante, pontuou Fernanda, pois quando não colocamos um prazo, vamos deixando aquilo em segundo plano. Por outro lado, olhar para a data mostra que há um compromisso que precisamos cumprir.

Primeiros passos

Estabelecer uma meta específica, realista e dividi-la em pequenos objetivos; estabelecer prazos; ter consciência que a recompensa não é imediata; comemorar as conquistas; e procurar ajuda para vivenciar o processo estão entre os primeiros passos para a mudança.

Segundo a psicóloga, no final do ano existe um ânimo e uma vontade maiores de mudança propícios para algo novo, mas isso não é o segredo de tudo: “É importante entender que não é o Ano novo que traz uma vida nova e sim a sua decisão neste momento, independente se é dezembro, janeiro ou junho. Saber que o lugar que se encontra da forma que se encontra não satisfaz e querer mudar isso já o maior apelo para alcançar seus objetivos, então escolha pedir ajuda de alguém para guiar nesse processo e viva a mudança com intensidade”, finalizou.

Pequenos objetivos, grandes conquistas

O servidor público Sérgio Lima já sentia os efeitos da obesidade grau I, como cansaço e dificuldade em realizar alguns movimentos simples, quando decidiu mudar de atitudes e hábitos. Ele contou que, em março deste ano, resolveu aceitar sua condição de “obeso grau I” para voltar a ter uma qualidade de vida melhor e estipulou uma meta pessoal para perder dez quilos até o final do ano.

“Fiz um comparativo de aumento de peso nos últimos quatro anos e ganhei 20 quilos. Então fiz uma projeção simples de que se continuasse da maneira que estava levando minha vida, em mais quatro anos atingiria 120 quilos e isso me assustou bastante. Então, posso afirmar: foi a melhor decisão, perder dez quilos em 2019”, comemorou.

De lá para cá, além dos quilos a mais, ele também mandou embora o sedentarismo e as desculpas como “falta de tempo” para prática de atividades físicas. Hoje Sérgio caminha ou corre diariamente, ao nascer do sol, e já participou de sua primeira corrida de rua, em setembro: “Que sensação maravilhosa... Nunca havia pensado em correr cinco quilômetros e senti-me muito realizado, ao ponto de querer correr outras vezes e fazer disso um hobby. Quero me tornar um atleta, barriga ‘chapada’ e feliz!”, brincou.

Frisando a importância da ajuda de familiares, amigos e, em seu caso, de uma nutricionista, Sérgio contou que a parte mais difícil foi estruturar o processo para evitar a frustração: “Ciente de que seria um processo lento e gradual, dividi a minha meta em metas menores. Se precisava perder dez quilos, dividi-os em dez meses e a meta mensal é eliminar um quilo por mês. Posso afirmar que outra bem difícil é que ao começar, são as situações que a pessoa se depara, como um amigo comendo uma deliciosa fatia de bolo e você ter que se segurar para comer uma maçã, ingerir mais fibras, essa é mais uma mudança mental e comportamental. Manter o foco mesmo”.

Reforçando uma das orientações da psicóloga, o servidor público aconselhou que, para alcançar um grande objetivo, divida-o em pequenos objetivos, procure orientação e, seja na vida pessoal, profissional ou familiar, encontre o motivo que te fará dar os primeiros passos. Para ele, isso funcionou.

“É preciso manter a esperança de que no final valerá a pena... É preciso se superar cada dia. Podemos cair, mas a nossa decisão é quem vai definir onde queremos chegar. No meu caso, quero chegar a correr uma maratona de 42 km, mas até chegar lá, existem 41 km para serem alcançados. Em alguns anos estarei eu correndo a São Silvestre. Possível? Sim! Impossível? Não. Todos queremos receber a ‘bandeirada’, chegar ao fim da corrida, mas não podemos esquecer de que tudo começou com um simples passo e é esse passo que te fará chegar mais longe”, concluiu.

Casal de atletas

Juntos, engordaram 15 quilos em um ano e juntos se livraram deles, deixaram o sedentarismo de lado e se transformaram em atletas. Essa é a história do casal de empresários Alessandra Karine e José Carlos, de Maceió.

Ela explicou que a mudança, iniciada em 2015, foi motivada pelas fotografias tiradas em uma festa de Réveillon. “Foi quando a gente percebeu que tinha engordado muito e que tínhamos que perder peso, não só mais por estética, mas por saúde. A gente já não aguentava nem correr nem andar muito que já cansava. Contratamos um personal e começamos a comer direito, fazendo dieta, tudo certinho e eliminamos quinze quilos em três meses”.

Para Karine, a parte mais difícil do processo foi abrir mão das saídas e da cervejinha com os amigos nos finais de semana. “Passamos um tempo sem sair. Ficávamos em casa, ou treinando, correndo... Até perder peso paramos por um bom tempo de beber. Acho que essa foi a pior parte. Mas, a mais recompensadora é a qualidade de vida que temos hoje”, disse a empresária.

Acrescentando que, este ano, ela e o marido participaram e concluíram as provas de uma competição de crossfit na capital, Alessandra dá seu conselho para quem quer mudar em 2020: comece em 2019. “Não deixe para amanhã e mantenha o foco... É doloroso, mas vale muito a pena”.