Foto: Ascom SSP
Operação Flashback combate o PCC em Alagoas e mais sete estados

A Operação Flash Black contra membros do Primeiro Comando da Capital (PCC) ainda não acabou. Nesta sexta-feira (29), uma mulher identificada como Sara, que seria a “geral” da facção de Sergipe foi presa. Além de Sara, um outro homem também foi preso no estado de Roraima. Agora, na totalidade, já são 83 presos em nove estados da Federação.

De acordo com os investigadores,  a mulher gerenciava todas as movimentações da facção no estado de Sergipe,  ou seja, era a centralizadora do crime.

"Ela comandava tudo de Sergipe, diretamente de Roraima. A Sara era considerada a centralizadora, se houvesse chefes era a mais alta da hierarquia. O novo esposo dela está no semiaberto e uma das características dela é ser muito violenta. Sara era quem administrava o PCC, seção feminina de Roraima, já algum tempo. Era quem articulava mortes e podemos afirmar que, como chefe, é muito má ", relata um dos investigadores da operação.

Em Roraima, o PCC atua em três situações: tráfico de drogas, tráfico de armas e de ouro. Há algumas anos,  o companheiro dela - que não teve o nome revelado - foi preso numa grande operação naquele estado, onde membros do PCC de Roraima foram condenados. O mesmo está saindo da cadeia sob progressão de pena e é integrante do PCC local. A conexão de Sara com o PCC de Roraima é justamente pelo elo afetivo com o esse faccionado.

*com Assessoria