Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

                A trajetória política de Vinícius Cansanção Filho iniciou-se em 1960, quando foi eleito vice-prefeito de Maceió pelo PSD. Com o golpe militar de 31/3/1964, que levou à deposição do presidente João Goulart, Vinícius Cansanção assumiu a prefeitura da capital alagoana e permaneceu no cargo até 1966, em virtude da cassação do mandato do prefeito Sandoval Caju.

            Nas eleições de 1966 Vinícius Cansanção foi candidato a deputado federal pelo MDB com 5.567 votos e não logrou êxito naquele pleito. Entre junho e outubro de 1967, ocupou a vaga de Djalma Falcão devido ao licenciamento do titular, afastado para tratamento de saúde.

            Vinícius Cansanção (MDB), nas eleições de 1970 foi eleito deputado federal com 18.231 votos, ficando em 4º lugar das cinco vagas em disputa. Cansanção foi o único deputado federal eleito pelo MDB naquele pleito.

            Nas eleições de 1974, Vinícius Cansanção (MDB) foi reeleito deputado federal com 29.421 votos, ficando em 3º lugar das seis vagas em disputa. Em julho de 1977, Vinícius inconformado com o recesso do Congresso Nacional e com o “Pacote de Abril”, decretado pelo presidente Ernesto Geisel, declarou que aguardaria o fim do seu mandato e só voltaria à vida pública quando o país estivesse redemocratizado.

            Vinícius Cansanção, nas eleições de 1978, teve seu nome cogitado para ser candidato ao senado na legenda do MDB, porém não disputou nenhum cargo eletivo naquele pleito. Cansanção volta à vida pública no governo Theobaldo Barbosa, quando foi nomeado Secretário do Trabalho, permanecendo no cargo até 1982.

            Nas eleições de 1986, Vinícius Cansanção (PFL) foi eleito deputado constituinte com 16.481 votos, ficando em 9º lugar das nove vagas em disputa. Cansanção, na Assembleia Constituinte votou a favor do Mandado de Segurança Coletivo, do voto aos dezesseis anos, da legalização do jogo do bicho, do presidencialismo e do mandato de cinco anos para o presidente José Sarney.

            Vinícius Cansanção não disputou a reeleição, deixou a vida pública, passando a dedicar-se a atividades empresariais nos ramos da construção civil, locação de imóveis e agropecuária.