Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Na manhã de hoje ouvi de um interlocutor acidental um relevante ponto de vista sobre as “afinidades” entre Bolsonaro e o pensamento conservador no Brasil. Segundo minha fonte inesperada, os “verdadeiros conservadores” querem distância de toda essa calamidade pública que é o conjunto ideológico do bolsonarismo. O conservador “tem vergonha” de se ver associado à escória da política, ao que há de mais obscuro nos debates que tocam fogo no país. O presidente é só um populista adepto da prática de tortura.

Sendo assim, portanto, não é cabível falar em afinidades entre Jair e os princípios e valores da chamada direita clássica. Que eu saiba, ser conservador nunca foi sinônimo de atos e falas ultrajantes, como a celebração de chacinas e o desprezo a minorias e a movimentos sociais. O que um mequetrefe que exalta assassinos e milicianos tem a ver com correntes intelectuais da política?

É isso aí. O discurso da tal polarização de que tanto se fala no Brasil de hoje tem uma boa dose de falácia. Quando Lula saiu da prisão e atacou as ligações perigosas do presidente com o universo das milícias, ao contrário do que berrou a grande imprensa, não houve na fala do petista nada de “radicalização”. Ninguém está pregando ódio nenhum ao apontar essas investidas autoritárias.

Bater nas ideias criminosas de Bolsonaro está longe de ser uma postura de radicalismo semelhante ao que pensam e dizem os brucutus da ultradireita. Se existe polarização, é o confronto entre civilização e ímpetos totalitários. Não por acaso, o inquilino do Planalto lança seu próprio partido, com um manifesto que é mais tacanho do que os ideais da Arena, a legenda da ditadura militar.

Os ministérios foram distribuídos a uma tropa escandalosamente medíocre. A “meritocracia” que levou essa gente ao poder é toda baseada num reacionarismo que beira a patologia. Os caras conseguem uma combinação horrenda entre ignorância e desprezo pelos valores mais caros à democracia. Mais uma vez, condenar tudo isso não pode ser confundido com postura intolerante.

Forçar a barra para igualar Lula a Bolsonaro é o jogo de boa parte da imprensa – que fez o diabo a quatro para tomar a Presidência na marra, com um processo de impeachment cheio de exotismos e pirotecnia retórica. Apesar de toda a operação arrasadora, o sapo barbudo está de volta, como a maior liderança de oposição ao governo do capitão desqualificado. Fora disso, é torturar os fatos.

Em entrevista publicada pela Folha, o filósofo Mangabeira Unger foi direto ao ponto. Professor de Harvard, ele faz uma análise que me parece precisa sobre o que o país tem hoje no comando e o tipo de casamento entre governo e elite. Qual o papel de Bolsonaro no jogo do poder jogado pela turma do alto da pirâmide? O que esse ex-deputado do baixíssimo clero entrega aos donos do dinheiro?  

Atenção para a resposta do pensador brasileiro na Folha: Um banqueiro com doutorado em economia não vai se eleger presidente da República. A elite não consegue que a maioria das pessoas vote nele, então tem que arranjar um laranja. Para que o laranja seja eleito e entregue o poder de fato ao banqueiro e ao tecnocrata. Como diriam dez entre dez jornalistas: simples assim.

Em outras palavras, acrescenta este blogueiro, Bolsonaro não foi o candidato dos conservadores. Ele foi o candidato dos rentistas, do mercado financeiro, dos especuladores, dos banqueiros, dos imperadores da agiotagem multinacional. Esse papo de família, bons costumes e moralidade é diversão para doentinhos que seguem a seita. São fanáticos, usados pra atacar instituições.

A quadra do bolsonarismo duro é o lado extremo da extrema direita, o fundo do esgoto tomado por faniquitos fascistoides. Com um conservador – direi o óbvio – conversamos eu, você e qualquer um. Com uma gentalha que festeja assassinatos, como o da vereadora Marielle Franco, aí não. Porque isso não tem nada a ver com ideologia. É apenas o sinal definitivo de uma degradação sem remédio.