Ascom Semas Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Com o objetivo de entender as problemáticas sociais da comunidade e exercitar a criação de soluções, o Liga Maceió Impacthon foi realizado pela primeira vez na capital alagoana, nesse sábado (09), no bairro Fernão Velho. O projeto, que já acontece em Recife, foi criado pela escola de inovação social Verda [+] e trazido para Maceió por iniciativa do vice-prefeito e secretário municipal de Assistência Social, Marcelo Palmeira.

O Liga Maceió Impacthon é uma maratona de impacto social positivo, que contempla uma visita a uma comunidade, guiada por um líder comunitário, promovendo o encontro entre os moradores do bairro, estudantes universitários e profissionais da área de inovação, educação e empreendedorismo social. Os participantes desenvolvem experiência de cocriação, elaborando soluções para as problemáticas observadas in loco. O tema escolhido pela comunidade de Fernão Velho foi “Como atenuar a ociosidade dos jovens, gerando oportunidades e movimento para a comunidade?”.

“Foi um dia totalmente voltado para a comunidade, onde os participantes se dedicaram a pensar soluções eficientes e criativas para resolver o problema da ociosidade dos jovens. Moradores, estudantes da Ufal (Universidade Federal de Alagoas) e outros profissionais formaram uma grande rede colaborativa para achar uma resposta para o tema. Foram sete grupos discutindo e debatendo as várias maneiras de resolver o problema exposto pela comunidade. Um evento enriquecedor para todos os envolvidos”, detalhou o vice-prefeito.

Para a diretora de Projetos da escola de inovação social Verda [+], Ludmila Valença, o evento desperta não só a mente criativa dos participantes, como também fortalece a comunicação entre a própria comunidade. “É uma atividade que provoca o debate de problemáticas sociais através das ferramentas do empreendedorismo social, da inovação social, das ferramentas criativas, das metodologias ativas, e teve como resultado uma solução que envolveu principalmente a união de forças da comunidade com a colaboração do poder público”, explicou.

Ao todo, 40 pessoas participaram das atividades, que envolveu no primeiro momento uma palestra sobre empreendedorismo social e o relato de cases de sucesso em comunidades que colocaram em prática a solução encontrada através do Impacthon. Logo em seguida, guiado por lideranças comunitárias, o grupo fez um reconhecimento de território por todo o bairro de Fernão Velho. “Foi apresentada a história do bairro, suas peculiaridades e curiosidades. Os participantes puderam desfrutar de uma caminhada com paradas estratégicas em diversos pontos históricos de Fernão Velho”, frisou Marcelo Palmeira.

“Eu já estive em Fernão Velho, mas em passagens muito rápidas. Nunca imaginei que esse bairro tinha uma história tão rica. Essa parte da atividade foi muito importante para que as outras pessoas, assim como eu, pudessem conhecer a história do bairro e entender mais claramente as problemáticas expostas pela comunidade. Foi com certeza uma experiência que eu vou levar para minha vida”, relata a estudante de engenharia da Ufal, Sayonara Flor.

No segundo momento do evento, os participantes puderam, finalmente, formar os grupos e debater as soluções possíveis para a resolução da problemática. Ao final, cada grupo apresentou soluções e uma plateia escolheu a que poderia ser implantada com mais eficácia. Para Cristina Rocha, líder comunitária e participante, todos apresentaram ideias que podem ser implementadas.

“Muita coisa depende do poder público, mas tem atitudes que a gente, como morador, pode tomar a frente. E a solução vencedora foi a que mais nos mostrou que podemos, sim, transformar a comunidade. Fernão Velho é um bairro histórico e tem muito a oferecer, muita cultura. Precisamos enaltecer isso e criar a sensação de pertencimento, ter orgulho das nossas origens e passar isso para as outras pessoas. Existem coisas que só dependem da gente, basta unir forças. O evento nos possibilitou enxergar que, com atitudes positivas e boas ideias, nós somos capazes de desenvolver projetos inovadores e que vão render bons resultados. Aproveito para agradecer a Prefeitura de Maceió, através do Marcelo Palmeira, por ter escolhido nosso bairro para ser palco do primeiro Liga Maceió. Estamos todos maravilhados e otimistas, está sendo tudo muito proveitoso”, afirmou a moradora.