Divulgação Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Alfonso Dacal chegou a ser vereador entre 1997 a 2000; hoje leva uma vida de empresário e escritor

Entre diversos alagoanos que lançaram suas obras literárias ao longo dessa semana no transcorrer da IX Bienal Internacional do Livro, evento que finda neste domingo, 10,  no histórico bairro de Jaraguá em Maceió, podemos destacar o escritor Alfonso Dacal. Natural de Rio Largo, aonde chegou a ser até vereador, Dacal que é o mais novo integrante da Academia Alagoana de Literatura de Cordel, lançou logo duas obras: “O Retorno dos Cangaceiros” esse com 216 páginas e o livro de cordel,  “O Encontro de Lampião com Hitler no Inferno” composto de 16 páginas.      

“O Retorno dos Cangaceiros” apesar de ficcional, nos mostra, em pequenas crônicas insertas no texto, um  Nordeste tão familiar para nós, que nele vivemos, mas ainda esquecido  e ignorado  pelos brasileiros ‘sulistas’, escancarando a pobreza extrema  ainda existente, mas, acima de qualquer coisa, a forte personalidade  do povo nordestino, estando  a obra recheada  de críticas sutis ao descaso  governamental que sempre abateu sobre esse povo” destacou no prefácio Aloísio de Melo Farias Jr, advogado e amante da cultura nordestina.

Para o presidente da Academia Alagoana de Literatura de Cordel, Ciro Veras, Afonso Dacal em seu cordel, “O Encontro de Lampião com Hitler no Inferno” desafia as mesmices de livros e mais livros que tratam da personagem do Lampião, sobretudo num contexto em que envolve outros personagens não menos polêmicos, como é o caso de Hitler e de seu assecla, Josef Mengele.

“Foi com a enorme alegria e satisfação que recebi a incumbência de prefaciar este belo cordel O Encontro de Lampião com Hitler no Inferno, do já consagrado escritor Alfonso Dalca; ele que além de poeta é contista e romancista; pois orgulhosamente Alfonso Dacal tomou posse há poucos dias, ocupando a cadeira 24, da nossa Academia, cujo patrono é João Melchíades Ferreira da Silva”, disse   Ciro Veras.