Foto: Olival Santos / Ascom SAMU Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true No saldo de janeiro a outubro deste ano, foram 45 ações desenvolvidas em 29 instituições de ensino, com participação de 4.310 crianças.

O Samu nas Escolas encerrou suas atividades deste ano com uma redução de 42,67% dos trotes para o número 192 do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) em Alagoas. No saldo de janeiro a outubro deste ano, foram 45 ações desenvolvidas em 29 instituições de ensino, com participação de 4.310 crianças.  E para encerrar as atividades de 2019, o Samu nas Escolas foi até o bairro do Jacintinho, na Escola Estadual Manoel Simplício, nesta sexta-feira (8).

O projeto de extensão, feito em parceria com a Universidade Federal de Alagoas (Ufal), conta com a participação de 90 estudantes dos cursos de medicina, enfermagem e serviço social das universidades públicas e privadas de Maceió. Durante as ações os acadêmicos falam sobre o funcionamento do Samu, os prejuízos dos trotes e noções de primeiros socorros.

Redução de 42% dos trotes

De janeiro a outubro, o número 192 do Samu Alagoas foi acionado 408.642 vezes, e dessas ligações, 158.779 foram trotes, o que representa 38,85% do total.

Nesse mesmo período, em 2018 as Centrais de Regulação do Samu em Maceió e Arapiraca, receberam 488.914 chamados e 276.968 trotes, ou seja 56,64% das ligações.

Essa comparação mostra uma diminuição de 80.272 ligações e de 158.779, o que representa uma redução de 42,67% nesse tipo de ligação criminosa.

Para Marcos Ramalho, supervisor do Samu Alagoas, o projeto tem trazido resultados práticos excelentes e que podem ser comprovados pela redução do índice dos trotes.

“O Samu nas escolas é um projeto que tem nos dado muita alegria pelos resultados atingidos com a redução dos trotes. Além desse resultado maravilhoso, as ações também aproximam o Samu da sociedade, levando conhecimento e sendo uma referência profissional para essas crianças, que em sua maioria são de escolas públicas. É nesse momento que conseguimos ter um momento de interação entre os socorristas e as crianças”, destacou o supervisor.

 Um dos alunos foi o nosso Samuzinho na ação. José Roberto da Rocha, 11 anos, participou bastante das atividades e vestiu o macacão do Samu.

“O dia de hoje foi muito divertido, eu e meus colegas aprendemos muitas coisas. Principalmente de que não podemos passar trotes, porque essa brincadeira de mal gosto pode acabar tirando a vida de alguém”, disse o garoto do 6º ano do ensino fundamental.

Estações práticas

De maneira lúdica os acadêmicos do projeto dividem as crianças em três estações para aprenderem um pouco sobre primeiros socorros. Em uma sala os acadêmicos mostraram manobras de desengasgo, em outra as crianças aprendem o que fazer em situações de queimaduras e choque elétrico e para finalizar eles participam da estação sobre desmaio e fraturas.

De acordo com Carolyne Gama, 9º período de enfermagem do Cesmac e monitora do projeto, é uma experiência gratificante poder participar do Samu nas Escolas e ter esse contato com as crianças.

“É uma experiência maravilhosa conscientizar os pequenos sobre os trotes, é lindo ver as crianças aprendendo sobre assuntos essenciais se divertindo e aprendendo, que trote não é uma brincadeira e pode custar a vida de alguém” disse a futura enfermeira.

Concurso de Redação

Com as ações finalizadas, todas as crianças irão participar do 4º Concurso de Redação do Samu nas Escolas, que vai ser um dos eventos das comemorações dos 16 anos do Samu Alagoas.

*com informações Ascom / SAMU