Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Após o desabamento de um prédio em Fortaleza que acabou deixando oito pessoas mortas, moradores edifício Athenas, localizado entre os bairros do Prado e Centro de Maceió temem que ocorra o mesmo no residencial que vem apresenta na estrutura sinais de riscos de desabamento. 

Em entrevista ao Cada Minuto, o morador Régis Santos, afirmou que em todos os três andares do edifício é possível observar grandes rachaduras em toda a estrutura. “Além do prédio ser bem antigo ainda contamos com mais um agravante, a maresia acaba contribuindo muito para que a situação venha piorar a cada dia mais e mais”. 

Ainda segundo o morador, inicialmente a situação era normal, mas ao ver o caso ocorrido em Fortaleza sua concepção mudou e junto com isso um sinal de alerta foi acesso. “Pude perceber que aquela situação lá de Fortaleza era semelhante ao prédio em que moro e daí me preocupei de uma maneira muito maior”, destaco. 

Régis contou ainda que diariamente tem registrado a situação através de fotos e tem constatado que a situação tem se agravado. “Com o passar do tempo acaba caindo pequenos destroços da estrutura que está totalmente deteriorada devido à falta de manutenção e fiscalização do poder público”. 

O morador disse ainda que acionou a Defesa Civil Municipal e estadual para que fosse feita uma vistoria no local, mas que até o presente momento nenhum dos órgãos esteve no local. “Eles vão esperar cair para que possam realizar o trabalho preventivo? É o que está dando a entender”.

“Minha família já estuda a possibilidade de sair de lá, pois cada dia fica mais arriscado e a vida é a prioridade, não posso esperar o prédio desabar para fazer algo”, disse Régis. 

Em contato com defesa civil municipal, a assessoria de comunicação do órgão informou que o Registro de Ocorrência (RO) para avaliação do edifício Athenas foi aberto nesta segunda-feira (4) e será atendido em até 48 horas do acionamento, prazo padrão para atendimento de ocorrências.

A reportagem tentou contato com a defesa civil do estado de Alagoas, mas as ligações não foram atendidas. 

*Estagiário sob a supervisão da editoria