Foto: Marinha do Brasil Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Material foi encontrado na Ilha de Santa Bárbara, que faz parte do arquipélago, e na Ponta da Baleia, em Caravelas (BA).

A Marinha informou neste sábado ter encontrado pequenos fragmentos de óleo em algumas localidades dentro do arquipélago de Abrolhos , área de maior biodiversidade do Atlântico Sul que abriga o parque nacional marinho, berçário de espécies como a baleia jubarte e corais raríssimos, muito sensíveis ao material tóxico que vem contaminando as praias.

O Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), formado pela Marinha do Brasil (MB), a Agência Nacional de Petróleo (ANP) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), listou as localidades em que o material foi encontrado: Ponta da Baleia, em Caravelas, e Ilha de Santa Bárbara, maior ilha dentro do arquipélago de Abrolhos.

- É onde temos as melhores e mais preservadas áreas dos recifes de corais, uma área que está há bastante tempo intacta, com os corais que estão entre os mais saudáveis no Brasil. Ali também tem muita espécie de peixes ameaçada, tartarugas, aves marinhas... Por tudo isso, é bastante preocupante saber que o óleo chegou à região — disse Guilherme Dutra, diretor da Estratégia Costeira e Marinha da Conservação Internacional, que atua no parque de Abrolhos desde 1996.

Segundo Dutra, o trabalho na região está sendo articulado entre a Marinha e embarcações de pesca, que servem de apoio para a remoção do óleo que ainda está na água.

Na semana passada, pescadores e demais voluntários recolheram cerca de 200 quilos do produto nas águas da fronteira norte da região, próxima ao município de Canavieiras , que abriga uma reserva extrativista com 100 mil hectares e cerca de 2.600 famílias distribuídas em oito comunidades.