Foto: Reprodução / Facebook Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true João Miguel tinha Atrofia Muscular Espinhal (AME), doença responsável pela perda dos neurônios motores.

O pequeno João Miguel, diagnosticado com Atrofia Muscular Espinhal (AME), morreu na manhã dessa quinta-feira (17). O bebê tinha acabado de completar 2 anos de idade no último dia 5.

O caso da criança ganhou repercussão após os pais de Miguel, organizarem uma vaquinha para arrecadar dinheiro que seria utilizado para custear o tratamento do garoto. Por causa da doença degenerativa, responsável pela perda dos neurônios motores, João precisava tomar uma medicação que custava R$ 375 mil.

Segundo informou a advogada da família, o menino passou mal na madrugada dessa quinta-feira (17). A mãe, então, levou a criança até Belo Horizonte, onde tem atendimento de referência. Ele chegou a ser internado no Hospital Infantil João Paulo II (HIJPII), localizado no bairro Santa Efigênia, Região Leste da capital, mas acabou morrendo.

“A mãe está muito abalada e não consegue explicar direito o que aconteceu. Toda a situação é muito triste”, contou a advogada, Vanessa Reis.

Moradores da cidade de Conselheiro Lafaiete, a 100 km de Belo Horizonte, e até mesmo a Polícia Civil se mobilizaram para arrecadar dinheiro e promover campanhas para custear o tratamento do menino.

No entanto, o pai do garoto, Matheus Henrique Leroy Alves, de 37 anos, sacou cerca de R$ 1 milhão do dinheiro arrecadado e fugiu para a Bahia. Ele foi preso após ser encontrado pela Polícia Civil vivendo ostentando luxos, morando em um apart-hotel em Salvador cerca de três meses depois.

Alves foi indiciado pelos crimes de estelionato, apropriação e desvio de valores de pessoa portadora de deficiência, abandono material e falsa comunicação de crime.

*com informações do Catraca Livre