Thiago Sampaio Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Governador em Japaratinga

O governador de Alagoas Renan Filho disse na tarde desta quinta-feira, dia 17, quando esteve no litoral de Japaratinga e Maragogi para ver a intensidade da área atingida pelas manchas de óleo que já atingem 15 pontos do litoral alagoano que “nesse momento o Estado não acha conveniente decretar emergência”.

Em entrevista Renan Filho salientou que “mais de 90% das praias de Alagoas não têm nenhum sinal de óleo e aonde tem nós estamos recolhendo, e isso é importante ser dito por que vivemos num ambiente muito grande de ‘fake news’ e as pessoas que vivem fora daqui acham que as praias estão 100% ocupadas pelo óleo e isso não é verdade”.

O litoral Sul já foi limpo e há trabalhos desenvolvidos na região. Agora os trabalhos seguem na região Norte, disse o governador, reforçando que “o ponto fundamental é saber de onde vem esse óleo para identificar os culpados”.

É fundamental que o Governo federal use todos os seus braços como a Marinha, Aeronáutica, Universidades, Polícia Federal, exército e satélites para colaborar com a identificação da origem do óleo, já que é um desastre que atinge vários estados, recomendou o governador.

Reforço

Com a chegada dos 150 fuzileiros navais da Marinha o governador afirmou que também virão mergulhadores que vão avaliar a parte submersa e ver como está o atingimento do óleo na fauna, na flora fazendo um trabalho mais complexo.

Além do impacto ambiental Renan Filho reforçou que a atividade turística não sofreu nenhuma alteração e o funcionamento da rede está normal e a balneabilidade das praias e os peixes não sofreram nenhuma contaminação, explicou o governador.

Além do governador  estiveram também vistoriando a praia de Japaratinga Gustavo Lopes, diretor-presidente do Instituto do Meio Ambiente, Fernando Pereira, secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, o Coronel Moisés Melo, da Defesa Civil do Estado além de representantes da Marinha e das prefeituras locais.

Leia mais

"Quem deu causa ao vazamento precisa ser radicalmente punido", diz governador sobre manchas em AL

Óleo em AL:“tem sido feito o máximo pelas prefeituras, mas tem que aprofundar mais”, diz ministro