Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Uma das séries mais louvadas da TV está de volta! Sim, meus amigos, após um anúncio recente e inesperado "Breaking Bad" retorna, dessa vez em um filme produzido pela Netflix. Vince Gilligan, idealizador do seriado, assina a direção e roteiro do longa, que se propõe a dar um desfecho definitivo para a história de Jesse Pinkman, depois que ele conseguiu fugir do cativeiro onde era mantido com o escravo para produzir drogas.

Apesar de inicialmente não enxergar muitos motivos que justificassem um filme para continuar os eventos da série, "El Camino" (2019) é uma realidade, e depois de suas duas horas de exibição passei a compreender um pouco mais sua existência.

Aaron Paul, no papel de uma vida, segura com competência o protagonismo ao ponto de não sentirmos tanta falta de ver o lendário Walter White. Pelo menos até sua participação especial, já no final, na cena que recorda uma conversa despretensiosa sobre o futuro, quando eles ainda aspiravam vender o primeiro grande lote de metanfetamina. A presença de Bryan Cranston é poderosa. Em poucos minutos a jornada do professor de química vem a mente.
É interessante pontuar que "El Camino" é um filme que precisa do contexto das temporadas que transformaram a série em sucesso. Sem esse background o filme perde quase todo o apelo e as participações que surgem, o sentido.

Alternando flashbacks que vão  retrocedendo os acontecimentos, com o tempo presente, Vince Gilligan conduz a produção no ritmo de tensão constante, explicando os passos do personagem e sua motivação.

Dessa forma, mais do que colocar um ponto final, Gilligan coloca Jesse de volta a estrada para fazê-lo encontrar seu próprio caminho, talvez por isso o título da obra seja tão sugestiva. Agora Pinkman persegue o recomeço e busca a calmaria, com todo o silêncio que puder achar. Se lembramos de sua última cena na série, quando ele dirige o carro em alta velocidade, envolto às lágrimas e gritando angústia e alívio, o contraste com o take final de "El Camino" torna-se mais evidente.
Já não há gritos, lágrimas. O carro passeia calmamente pela estrada e o silêncio só é interrompido pela lembrança da felicidade que devolve o caminho da paz.

8.5