Divulgação Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Cirurgiã garante que em dois momentos de seis horas cada, durante dois dias seguidos o serviço fica concluído

Em épocas passadas, muita gente deixava Maceió, a fim de procurar em outros centros do País, famosos especialistas para tratamento de correção da calvície. Mas, hoje as coisas mudaram e muito. Aqui na capital alagoana, por meio do Hospital Veredas, Alagoas tem se destacado com esse tipo de serviço cirúrgico, sobretudo comandado por uma profissional pioneira em nosso Estado, que há uma década vem se consolidando no mercado.

Estamos falando da cirurgiã plástica, Dra. Emanuella Oliveira, pioneira em transplantes capilares em Alagoas, que ao longo de seus 10 anos de atuação profissional, tem contabilizado um número crescente de pessoas que procuram o Hospital Veredas para esse tipo de tratamento, órgão que há dois anos implantou esse tipo de serviço.

Tática

A médica explica que uma nova técnica é feita com anestesia local, em dois momentos de seis horas cada, durante dois dias seguidos. “Venho acompanhando a evolução da técnica, a gente se monta de aparelhagem, do material, e é com anestesia local, o paciente não precisa ficar internado. Vem como paciente externo vai para o centro cirúrgico, faz o procedimento e volta para casa", esclarece   Emanuella Oliveira.

“Orgulhosamente hoje temos profissionais renomados, sobretudo  comprometidos com seus pacientes e parceiros do Hospital. A exemplo do pai, Lourival Cezar, um ícone da cirurgia plástica em nosso Estado, a Dra. Emanuella também nos enche de orgulho. Cuidar da beleza também é saúde, afeta não só a nossa autoestima e isto reflete em todo o resto", comenta o presidente do Veredas, Edgar Antunes Neto.

Dados

Aponta uma pesquisa publicada recentemente, que em média 42 milhões de brasileiros são reféns da calvície, especialmente em jovens na faixa etária entre 20 e 25 anos; além de metade dos homens com até 50 anos. Em 99% dos homens com queda de cabelo é indicado transplante. Nas mulheres em torno de 20 a 30%. Considerado uma solução eficaz e segura, o transplante tem evoluído em suas técnicas ao longo dos anos, de acordo com a especialista.