Foto: Assessoria Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O senador Rodrigo Cunha participou nesta sexta-feira de reunião com a diretoria do Sebrae em Maceió para tratar da importância do Sistema S e economia criativa, setor que já responde por 2% do PIB de Alagoas. 

Outro tema debatido no encontro foram os negócios de impacto social, que têm crescido bastante no Brasil, e têm como ponto focal conciliar o lucro com a melhoria da realidade das comunidades locais. Um dos objetivos do Sebrae é amplificar a divulgação sobre os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs), que visam a reduzir a pobreza e melhorar taxas de saneamento e educação, por exemplo.

Na reunião, a gestora empresarial do Sebrae, Fatima Aguiar, destacou as ações em campo para desenvolver ainda mais as feiras livres e mercados de Alagoas, empreendimentos tão presentes em nosso estado, e que geram empregos e ajudam a economia a girar. 

“temos que estar atentos para ajudar a impulsionar os negócios que são a vocação dos alagoanos. Os mercados e feiras são um exemplo de sucesso de geração de empregos e desenvolvimento econômico. É importante também concluirmos o mais rapidamente possível o Polo de Tecnologia de Maceió, que já deveria ter sido concluído, para que Alagoas possa competir de igual para igual com outros estados”, afirmou Rodrigo Cunha. 


Contaminação de petróleo no litoral nordestino

Outra ação importante do senador esta semana foi o envio de um ofício ao Ministério do Meio Ambiente solicitando informações sobre as medidas que a pasta está tomando para conter os danos do acidente. O surgimento de manchas de óleo começaram a surgir no início do mês passado em algumas praias do Nordeste, começando pela Paraíba, e já atingiram a costa de todos os estados nordestinos, chegando inclusive à foz do rio São Francisco. 

Em Alagoas, pelo menos 12 praias já foram contaminadas pelas manchas de óleo.

No ofício, o senador alagoano expressa sua consternação com a situação, e ressalta a urgência da tomada de ações para controlar os danos. Não bastassem os prejuízos para o turismo, o alastramento do óleo pelas praias e águas marinhas têm afetado os corais e diversas espécies de animais, mais notadamente as tartarugas marinhas. Até o momento o governo brasileiro não apresentou hipóteses conclusivas sobre as causas do derramamento. 

Diante disso, Rodrigo Cunha questionou o Ministério do Meio Ambiente sobre o plano de ação em marcha. 

Há alguns meses, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, esteve na Comissão de Transparência, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor, a qual o senador preside, para prestar esclarecimentos sobre a política ambiental no tocante à Amazônia.