Vanessa Alencar/CM Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Presidente da Assomal acompanhou a sessão

Através de nota encaminhada ao Cada Minuto, a Associação dos Oficiais Militares de Alagoas – ASSOMAL, diz que a afirmação feita pelo coronel Adroaldo Goulart de que “não houve consenso” entre as associações, os comandos das Corporações e o governo de Alagoas, durante a elaboração do projeto de lei em referência, não é verídica.

De acordo com a associação, a reformulação da Lei de Promoção foi fruto de um trabalho coletivo com a participação dos militares estaduais – através de sete entidades representativas da categoria que englobam todos os ciclos, postos e graduações existentes nas instituições militares do Estado de Alagoas.

Quanto as melhorias trazidas pelas emendas aos projetos de lei, defendidas pelo Coronel Goulart, o presidente da Assomal , Coronel J.Cláudio, alerta sobre a ilegalidade e a manobra eletista de criar benefícios para alguns militares em detrimento da maioria, especialmente, dos soldados.

“Várias emendas que foram apresentadas estão eivadas de vícios de inconstitucionalidade, por invadir competência privativa do chefe do Poder Executivo. Fato destacado pela Deputada Jô Pereira na última terça-feira (17), durante a primeira discussão dos projetos na Assembleia Legislativa de Alagoas”, afirma J.Cláudio.

Ainda segundo Cláudio, as emendas, a exemplo  da criação de cargo e extinção do tempo de permanência na ativa da Polícia e Corpo de Bombeiros Militares de Alagoas, também serão empecilhos para sancionamento da Lei por parte do governo, caso sejam aprovadas no legislativo. Elas serão mais um imbróglio jurídico.

Os militares estaduais alicerçam as ações de Segurança Pública e agem diretamente em diversas  frentes em defesa da paz social e no amparo ao trabalho de outros segmentos. “Desta vez,  a categoria precisa ser valorada e respeitada em suas peculiaridades e a imprensa pode colaborar de forma efetiva neste processo – esclarecendo e divulgando a realidade vivenciada pelos militares, especialmente por mais de 800 soldados, que podem deixar de ser promovidos – que reflete em melhoria salarial e de qualidade de vida de suas famílias, se persistirem na aprovação das emendas apresentadas pelo deputado Francisco Tenório”, diz um trecho da nota.

*Com assessoria