Foto: Assessoria Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

A prática da atividade física estimula a produção de vários hormônios no organismo. Entre eles, a substância chamada endorfina, produzida na glândula da hipófise e que está associada ao prazer, bem-estar e ao aumento da disposição física e mental.

Pensando nisso, como parte da Campanha Setembro Amarelo, o Hapvida realizou neste sábado, na praia de Pajuçara, em Maceió, um treino especial com ênfase na prevenção à depressão e ao suicídio. Cerca de 800 pessoas participaram das atividades lúdicas e esportivas, entre adultos, idosos e crianças.

A ação faz parte do Programa +1K, que funciona em Maceió com assessoria gratuita para corrida, caminhada e outras atividades esportivas em cinco núcleos: Pajuçara, Jatiúca, Jacintinho, Benedito Bentes e Praça do Centenário.

No evento, estava a empreendedora Dalmácia dos Santos Rodrigues, de 42 anos. Ela está no Programa há dois anos e viu sua vida mudar completamente após inserir na rotina a atividade física. Dalmácia conta que estava entrando em depressão, quando recebeu o convite para o Hapvida +1K e deu a volta por cima.

“Minha irmã me chamou para participar das aulas gratuitas e, desde então, voltei a ser feliz. Eu estava com problemas respiratórios, taxas descontroladas e não queria sair de casa, só me isolar”. Dalmácia saiu dos 76kg e atualmente está com 60kg. Ela já corre meia maratona, um percurso de 21km.

Dalmácia é só um exemplo de como a prática esportiva pode influenciar nos resultados fisiológicos e psicológicos, se praticada com orientação profissional e dedicação. De segunda a sábado ela participa do +1K Pajuçara e nem pensa em sair.

Na praia de Pajuçara, na manhã deste sábado, a ordem era movimentar o corpo. Teve funcional, zumba, fitdance, corrida e muita alegria. “Esse é um dos efeitos do esporte. Estar em contato com pessoas e essa interação traz felicidade e ajuda a combater a depressão”, afirma o coordenador do +1K, Sidney Pereira.

MULHERES - Já a presidente do Projeto AME, associação que trata de mulheres vítimas de violência aposta no esporte como uma opção para ajudar na superação de agressão física e psicológica. “Nós estamos aqui pra divulgar a AME e pra dizer que é possível se curar de uma ferida deixada pela violência”, explica Julia Nunes.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), diariamente 32 brasileiros comentem o suicídio e nove de cada dez mortes poderiam ser evitadas. Por isso, o Setembro Amarelo chama atenção para a estatística e incentiva ações que possam mudar essa realidade. A prática esportiva é uma delas.