Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

     O    precursor da trajetória dos Irmãos Torres foi seu bisavô Joaquim Antônio de Siqueira Torres, o Barão de Água Branca. Mesmo exercendo forte liderança política na região, o Barão nunca exerceu mandato eletivo.  Esta tarefa foi desempenhada por alguns de seus filhos e posteriormente pelos seus descendentes. 

     Luiz Vieira de Siqueira Torres foi o filho do Barão que alcançou maior projeção política. Foi eleito deputado estadual por quatro legislaturas, senador e vice-governador de Alagoas. Outro filho, Antônio Vieira de Siqueira Torres foi eleito senador.

     José Fernandes Torres, neto do Barão de Água Branca foi vereador na cidade na década de 40 e constituiu uma família de dez filhos, tendo alguns deles enveredado na política.

     Roberto Vilar Torres foi o filho de José Fernandes que alcançou maior projeção política entre os irmãos. Foi prefeito de Água Branca pela primeira vez no período de 1961 a 1967, voltando a exercer seu segundo mandato de prefeito quatro anos depois. Nas eleições de 1978, Roberto foi eleito pela Arena a deputado estadual, com 7.458 votos, ficando em 21º lugar das vinte e uma vagas disponíveis. Foi reeleito deputado estadual nas eleições de 1982 pelo PDS, com 11.817 votos, ficando em 14º lugar das 24 vagas em disputa. Roberto Torres no segundo mandato de deputado estadual  foi eleito para a presidência da Assembleia Legislativa. A vitória de Fernando Collor ao governo do Estado nas eleições de 1986, foi imprescindível o apoio dos irmãos Torres na região sertaneja. Naquela eleição Roberto foi eleito deputado federal pelo PTB com 32.933 votos, ficando em 4º lugar das nove vagas. Foi reeleito deputado federal em 1990 com 25.703 votos, ficando em sétimo lugar. Nas eleições de 1994 foi pela terceira vez eleito deputado estadual com 9.977 votos, ficando em 23º lugar. Em 1996 renunciou ao mandato de deputado estadual para assumir o cargo de Conselheiro do Tribunal de Contas. Nas eleições municipais de 2008 Roberto Torres concorreu à prefeitura de Água Branca, mas não obteve êxito.

     José Humberto Vilar Torres (Zeca Torres) foi candidato na chapa de Sabino Romariz nas eleições municipais de Maceió em 1985. Sabino foi o terceiro colocado com 23.928 votos (17,63%). Zeca foi eleito deputado estadual nas eleições de 1986 com 12.145 votos, ficando em 9º lugar. Na eleição presidencial de 1989, Zeca Torres ingressou no PDT e assumiu a coordenação da campanha do candidato a presidente Leonel Brizola. Nas eleições de 1990 foi reeleito deputado estadual com 11.868 votos, ficando em 6º lugar. Ele concorreu ao mandato de deputado federal nas eleições de 1994, sem sucesso.

     Fernando José Torres foi líder do movimento que pleiteou a criação do município de Teotônio Vilela, o qual foi emancipado em 1986. Nesse novo município ele se tornou prefeito em 1989. Nas eleições de 1992 foi eleito vice-prefeito de Teotônio Vilela, mas teve seu mandato cassado pela Lei da Inelegibilidade. Nas eleições de 1994 Fernando Torres foi eleito deputado federal com 31.221 votos ficando em 9º lugar das nove vagas disputadas.

     Entre os irmãos Torres ainda tivemos Mário Augusto Vilar Torres que foi prefeito de Rio Largo no período de 1989 a 1992. Seu sucessor foi seu primo Rafael Torres, que governou o município no período de 1993 a 1996.

     Os Irmãos Torres não deixaram herdeiros políticos. No mapa da política alagoana não mais podem ser localizados.