Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Na próxima semana órgãos municipais de Palmeira dos Índios e Defensoria Pública Federal  estarão encaminhando para a Transnordestina, em Fortaleza, os encaminhamentos obtidos após audiência pública para discutir a possível remoção de casas de 300 famílias do entorno da linha férrea, que compreende o bairro de Vila Nova até o Viaduto, em Vila Maria.

A Ferrovia Transnordestina pede a reintegração do local, inclusive com a demolição de imóveis que foram construídos nos domínios da empresa. O esforço, agora, é para que a Transnordestina não execute o processo, que já teve parecer favorável dado pela Justiça.

De acordo com o controlador-geral do município Klenaldo Oliveira, que já participou de outros processos, a exemplo do que foi movido pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), inclusive com ganho para as famílias de Vila Maria, as áreas são alvos de procedimento judicial favorável à Transnordestina.

O defensor público federal Everson Farias parabenizou a inciativa do município em sair na defesa das pessoas que correm o risco de terem os imóveis demolidos. “Muitas vezes não queremos mexer naquilo que é ruim, mas é preciso que todos procurem saber como está o processo e se envolva. A situação de Palmeira não é isolada. Existem processos com relação à ferrovia e rodovias estaduais também. Quem não tiver com o procedimento aberto, nos procura e a gente faz o processo e vamos tentar articular de que forma as coisas acontecerão”, destacou o defensor federal.

E continuou. Pela lei, existem áreas que não podem ser ocupadas por questão de segurança e esse é o lado da Transnordestina. Por outro lado, a população viu a área desocupada, não tinha onde construir e foi ficando. Mas existe a culpa dos órgãos que viram isso acontecer e nada fizeram. Vamos cobrar um diálogo com a Transnordestina para que não seja feita a execução. E nisso, a vontade política é relevante, até que se encontre uma solução viável. O município de Palmeira está de parabéns pela preocupação e iniciativa”, disse Everson Farias.