Pexels Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O coordenador do Núcleo de Direitos Coletivos e Humanos, defensor público Fabrício Leão Souto, vistoriou o Hospital Geral do Estado (HGE), na última sexta-feira, 30, para avaliar a situação do fluxo de transferências dos pacientes diagnosticados com câncer e a assistência prestada às pessoas que dão entrada na unidade de saúde após tentativa de suicídio. Na oportunidade, o defensor público inspecionou a estrutura física de todas as áreas e alas do hospital. 

De acordo com o defensor, foi constatada falta de integração e comunicação entre o HGE e a Rede Municipal de Atenção à Saúde Psicossocial no atendimento prestado aos pacientes que tentaram suicídio. Conforme informações do setor de psicologia do Hospital Geral, é necessário que o paciente continue sendo acompanhado por profissionais da área de psicologia, após a alta do hospital e, para isso, seria necessário que ele saísse da unidade de saúde com o encaminhamento e agendamento para o atendimento psicológico prestado pela rede municipal de saúde.

A Defensoria Pública convocará reunião entre o Estado e a Regulação Municipal de Saúde de Maceió, a fim de estabelecer a integração entre o hospital e a rede, e garantir o acompanhamento contínuo aos pacientes.

Oncologia

Já na área de oncologia, foi verificado que os hospitais sediados no interior alagoano, que poderiam solicitar a internação dos pacientes com câncer em Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia (Cacons) e Unidades de Assistência de Alta Complexidade (Unacons), tem os encaminhado para o HGE, que não possui área de atendimento oncológico. As transferências aos centros também foi tratada na ocasião.

O defensor trabalhará para viabilizar a articulação entre os setores de regulação das secretarias municipais e estadual de saúde, para que seja estabelecido fluxo de transferências das pessoas com câncer procedentes do interior diretamente aos centros especializados em oncologia.