Foto: Ascom Ufal Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Universidade Federal de Alagoas (Ufal)

Uma assembleia de docentes a ser realizada nesta quarta-feira (21), às 10 horas da manhã no Centro de Interesse Comunitários da UFAL, pode deflagrar uma greve por tempo indeterminado na Universidade. Mas, se isto ocorrer, será um enorme “tiro no pé” dos professores da maior instituição de ensino superior de Alagoas.

Às vésperas de um recesso acadêmico, a greve seria desmobilizada, sem adesão e perderia sua razão de existir. Sem mobilização, o pseudo movimento somente reforçaria os ataques às instituições públicas federais de ensino, acusadas de “pouca produtividade”.

Sem contar, que partidos de “esquerda” estão estimulando a paralisação, a fim de gerar crises junto a universidades de todo o país e a gestão do presidente Bolsonaro. 

Se tiverem bom senso, os professores da instituição vão comparecer à assembléia nesta quarta-feira e barrar uma possível futura greve que somente traria prejuízos à UFAL. E principalmente, prejuízos aos seus milhares de alunos na capital e no interior.