Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O impacto do abandono escolar é bastante mencionado por mulheres que tiveram casamento na infância. Eliane Almeida do Nascimento, 30 anos, é de Piranhas, interior de Alagoas, o terceiro estado com mais casos de casamento na infância e na adolescência no Brasil. Com vontade de sair de casa e ser dona de casa, ela se casou com 13 anos. Na época, seu marido tinha 23 -- em média, no casamento infantil, os maridos são nove anos mais velhos que as meninas, segundo a pesquisa "Ela Vai no Meu Barco". Os pais não aceitaram o casamento. A decisão de abandonar os estudos veio pouco depois do casamento, quando ela estava apenas no 2º ano do Ensino Fundamental (hoje 3º ano). Casada há 17 anos, tem quatro filhos e reflete sobre as várias dificuldades que passou na vida. "Se eu tivesse terminado os estudos e conseguido um bom emprego, talvez eu não passasse por tantos obstáculos'', afirma. Mas para concretizar suas vontades, Eliane precisaria de um ambiente propício. E o fato é que ele é bastante falho no Brasil. Segundo o relatório da ONG Save the Children, o país é o pior da América do Sul para se nascer mulher. Entre 144 nações avaliadas, ele ocupa a 102ª posição do Índice de Oportunidades para Garotas, ou seja, é um dos países que mais priva mulheres de oportunidades, impondo barreiras ao seu crescimento e autoestima....

Veja mais em https://www.uol.com.br/universa/reportagens-especiais/casamento-infantil-brasil-e-o-quarto-pais-com-maior-numero-de-meninas-casadas/index.htm#tematico-6?cmpid=copiaecola