O plano nacional de IoT regulamenta dispositivos que já fazem parte do cotidiano dos brasileiros.

 

Todos os dias vemos pessoas conectadas em dispositivos móveis, sejam eles smartphones, tablets, smartwatches e muitos outros. A questão é que por serem dispositivos recentes não havia uma política de utilização para eles e nem um plano nacional de IoT.

Recentemente, o presidentes Jair Bolsonaro assinou um decreto que regulamenta algumas diretrizes para implementar o IoT no Brasil. Então você deve se perguntar: mas de que maneira isso me afeta?

É bem simples. Sem especificar direito como funcionam os dispositivos da internet das coisas, fica difícil oferecer para eles um serviço adequado e você poderia, por exemplo, ficar sem ver a sua Netflix se isso fosse irregular.

Ficou decidido que esses equipamentos são de valor agregado e não de comunicação, o que deve ajudar bastante os usuários a acelerarem a transformação digital.

Além disso, o plano nacional de IoT prevê promover a eficiência nos serviços, capacitar profissionais e impulsionar a geração de empregos, integrando o país ao cenário internacional.

Com a regulamentação e apoio ao setor a tendência é que cada vez mais fiquemos conectados e que o preço dos equipamentos comece a cair ao se popularizar e conseguir a isenção de algumas taxas.

Pode parecer que o plano nacional de IoT demorou para ser decretado, uma vez que a internet das coisas já está presente no nosso cotidiano, mas ainda há muito o que se possa avançar e cada vez mais nos conectarmos.

Como o plano nacional de IoT me afeta?

Um decreto do presidente sempre afeta a nós, consumidores, e dessa vez a ideia é que ele traga ganhos muito positivos.

Cada vez mais as pessoas querem ter dispositivos conectados, por exemplo, ligar a cafeteira antes mesmo de levantar da cama com apenas um comando.

Isso antes parecia coisa de filme de ficção científica, mas hoje faz parte da realidade, mesmo estando presente apenas para um pequeno grupo de pessoas.

Com a regulamentação da IoT, isso deve começar a se tornar acessível a muito mais pessoas.

Os dispositivos são capazes de captar as nossas preferências e assim é possível que a indústria e o comércio ofereçam experiências personalizadas e produtos sob medida. Porém, com tantos dados e informações das pessoas na rede, uma das preocupações passa a ser a segurança.

Esse é um investimento que deverá ser feito, mas pense nos ganhos que teremos.

Se dirige já deve utilizar o GPS para se localizar e ele deve armazenar alguns dados seus para ajudar a traçar as suas preferências e até mesmo locais que frequenta. Mas uma coisa acabou preocupando uma boa parte das pessoas, e talvez você esteja nessa lista: o entretenimento dos serviços de streaming, ou seja, a possibilidade de assistir a seus filmes e séries conectado à internet e fazer isso no momento que quiser. Hoje, um serviço que oferece esses recursos e que é bastante utilizado é a Netflix.

Você pode assistir na sua televisão, computador, notebook e até mesmo celular. O problema é que a Netflix, assim como outros serviços que usam o IoT, segmentam o seu conteúdo por região, e isso quer dizer que nem sempre você terá acesso a todo conteúdo aqui do Brasil.

Isso parece um problema? Com certeza, os aficionados por determinados conteúdos podem descobrir em uma viagem internacional que estão deixando de ver muitas coisas que gostariam. E nesse caso o plano nacional de IoT não obriga a disponibilização do conteúdo.

Calma, esse não é o fim do acesso ao que deseja assistir, pois é possível contornar isso usando um VPN e você não estará fazendo nada ilegal. Se não sabe como isso funciona, veja uma explicação resumida.

A VPN junto e o plano nacional de IoT

A VPN (Virtual Private Network) é uma rede privada que garante mais segurança ao acessar a internet, pois protege os seus dados e os criptografa. Isso quer dizer que, ao navegar pela internet, estará muito mais seguro e seu dados protegidos, principalmente com a IoT coletando cada vez mais dados pessoais.

Voltando a Netflix com o uso da VPN, nesse caso, essa rede será capaz de bloquear algumas informações pessoais, como a sua localização, e você poderá utilizar um servidor no exterior para acessar o conteúdo que não está liberado no Brasil.

Você continuará pagando o mesmo valor pelo serviço de streaming e terá acesso a um conteúdo que não está disponível no Brasil. Isso pode ser feito em todos os dispositivos móveis que desejar.

É claro que a VPN não é utilizado apenas para essa finalidade, mas nesse caso ajudará muito. O melhor é que ele, com a preocupação em segurança por conta da coleta de dados de dispositivos móveis, deve ser cada vez mais utilizado.

Agora, quando for utilizar sua Smart TV, smartphone, GPS e dispositivos que ajudam a medir as atividades físicas ou acender as luzes da sua casa com o auxílio do celular, lembre-se que eles estão sendo regulamentados pelo plano nacional de IoT e você consegue manter sua privacidade (ou conseguir mudar as configurações) se usar a VPN.