Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Ao longo dos 31 anos em disputas para a Prefeitura de Maceió, o Senador Renan Calheiros tentou conquistar o poder municipal e jamais conseguiu lograr tal êxito.

A primeira tentativa para conquistar tal propósito foi na eleição de 1988. Renan naquela época filiado ao PSDB, foi candidato a Prefeito em uma das eleições mais disputadas na capital. Guilherme Palmeira (PFL) venceu as eleições com uma votação de 67.830 votos. Renan Calheiros (PSDB) foi o segundo colocado com uma votação de 51.481 votos. O fator determinante para a derrota dele foi ter a sua imagem vinculada à gestão caótica do prefeito da época Djalma Falcão.

Em 1992 ocorreu a primeira eleição de dois turnos, momento aquele em que o  candidato de Calheiros foi o Senador Teotônio Vilela Filho (PSDB), o qual o não conseguiu chegar ao segundo turno das eleições, ficando em terceiro lugar com uma votação de 47.341 votos;  em segundo lugar  José Bernardes (PFL) com a votação de 49.430 votos e  Ronaldo Lessa(PSB) tendo sido  o mais votado com 51.430 votos. No segundo turno, o grande vencedor foi Ronaldo Lessa, com uma votação de 97.770 votos contra 50.241 votos de José Bernardes.

Na eleição de 1996 a hegemonia do Prefeito Ronaldo Lessa fez com que o PMDB, partido de Renan, não tivesse candidato próprio, indicando Dalton Dória (PMDB) como vice na chapa de Albérico Cordeiro (PTB). Cordeiro foi o terceiro mais votado no primeiro turno, não passando para o segundo turno das eleições. No segundo turno das eleições Kátia Born (PSB), apoiada por Ronaldo, venceu a disputa contra Heloísa Helena (PT) com a ínfima diferença de 1,98% dos votos.

Na eleição de 2000 mais uma vez o PMDB de Renan não teve candidato próprio e apoiou Regis Cavalcante (PPS). A eleição foi decidida no segundo turno com uma vitória folgada da Prefeita Kátia Born, a qual obtivera 61% dos votos válidos contra 38% de Regis.

Na disputa municipal de 2004, o PMDB de Renan lançou candidato próprio, o médico José Wanderley (PMDB), o qual foi o escolhido e não passou do terceiro lugar na disputa do primeiro turno. No segundo turno o Deputado Estadual Cícero Almeida (PDT) foi eleito com uma votação de 189.697 votos (56,54%) e o segundo colocado foi o vice-Prefeito Alberto Sextafeira (PSB) com 145.842 votos (43,46%).

Na eleição de 2008 o PMDB de Renan mais uma vez não apresentou candidato próprio, teve uma participação insignificante no pleito e não conquistou nenhuma das 21 vagas da Câmara Municipal. O Prefeito Cícero Almeida (PP) foi reeleito no primeiro turno, com mais de 80% dos votos.

Na eleição de 2012, o PMDB de Renan fez uma aliança com Ronaldo Lessa (PDT) e indicou Mosart Amaral (PMDB) de vice na chapa de Ronaldo (PDT). Esta foi uma eleição atípica, em que, faltando apenas três dias para o pleito, o registro da candidatura de Ronaldo Lessa foi negado por unanimidade no Pleno do TSE e consequentemente levando o seu então adversário principal, Rui Palmeira a ganhar a eleição praticamente sem disputa.

A última tentativa de Renan Calheiros para conquistar a Prefeitura de Maceió foi na eleição de 2016. Sem ter um candidato em potencial no seu grupo para disputar o pleito, contra a reeleição do Prefeito Rui Palmeira (PSDB), teve que importar para o PMDB o ex-prefeito Cícero Almeida. Com uma campanha mal conduzida no primeiro turno, Almeida foi o segundo colocado, tendo sido quase ultrapassado na reta final pelo candidato JHC. No segundo turno, Rui Palmeira (PSDB) ganha com uma larga vantagem sobre Cícero Almeida (PMDB), impondo uma derrota para os Renans.

Apesar da reeleição de Renan Filho para o governo e de Renan para o Senado, o pleito de 2020 ainda está muito distante, muitos fatos e decisões acontecerão, pois a eleição é a fotografia do momento. No cenário atual os Renans não têm um candidato em potencial para a disputa e poderão mais uma vez não apresentar candidato próprio ou   importar um candidato como ocorreu no pleito de 2016. Diante de tal incerteza só nos resta esperar para quando outubro chegar ...