Fotos: Cortesia ao Cada Minuto Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Ambulantes ocupam ruas do Centro

A Secretaria Municipal de segurança Comunitária e Convívio Social (Semscs) aguarda a contratação de fiscais adjuntos para auxiliar no ordenamento da capital, inclusive no Centro, onde a grande quantidade de ambulantes, comercializando desde frutas e verduras até brinquedos e eletrônicos, tem incomodado lojistas e frequentadores do local. Eles reclamam da ocupação desordenada, da sujeira e da má conservação de trechos do passeio público.

Uma funcionária pública frequentadora assídua do Centro enviou imagens para o CadaMinuto denunciando o que classificou de “caos” nas ruas do comércio. Ela disse que, em alguns dias, mal dá para caminhar, devido ao número de obstáculos. “Como a pessoa passa tendo que desviar de tantos carrinhos de feira e de tantos produtos espalhados pelo chão? Sem contar os buracos e desníveis”, criticou.

Na semana passada, a Semscs realizou uma ação educativa nas principais ruas do Centro e, conforme dito pela assessoria de Comunicação da pasta, durante o período o calçadão ficou totalmente desobstruído, garantindo acessibilidade para que as pessoas pudessem transitar de forma segura.

Afirmando que as fiscalizações para manter o calçadão limpo continuam, a gestão informou, no entanto, que ainda não há previsão para a desobstrução permanente dos espaços ocupados irregularmente, pois se trata de projeto que requer planejamento de ações preventivas. Com a contratação de fiscais, será possível marcar presença no Centro nos períodos da manhã e tarde e, posteriormente, avançar para as demais regiões, como a Rua Ladislau Neto (antiga Rua das Árvores), ocupada por feirantes.

“Esse é um trabalho que envolve o apoio de outras secretarias, como a Semtabes, que administra os mercados públicos, e a SMTT, em razão do trânsito. Então, é um trabalho de médio a longo prazo. O objetivo dessas ações é proporcionar que as pessoas possam circular pelo Centro com segurança e da melhor forma possível”, destacou a assessoria.

Segundo a pasta, a quantidade de ambulantes no calçadão é sazonal e gira em torno de 20 ou 30, dependendo das ações que são feitas e do momento. Enquanto os ambulantes em geral escolhem o Calçadão para as vendas, a maioria dos feirantes se concentra na antiga Rua das Árvores.

A Semscs informou ainda que a Semtabes deverá fazer uma análise para abrigar àqueles que hoje tentam comercializar no Calçadão de forma clandestina. “É um processo que envolve a participação de diversos órgãos municipais no trabalho de ordenamento, bem como da segurança pública”, destacou.

Orla

Sobre a denúncia feita pela Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH-AL) na quinta-feira passada, acerca do crescimento do comércio irregular na orla da capital, a Semscs garantiu que está atenta a questão e que já se reuniu com o presidente da entidade.

“A pasta está aberta ao diálogo com todo o trade Turístico, visando sempre o que for melhor para a orla de Maceió. Continua mantido o compromisso de, até dezembro, a Semscs iniciar ações pontuais. Vale ressaltar que isso não quer dizer que a ação será em dezembro. Significa que até dezembro o órgão estará atuando na orla marítima, visando principalmente o combate ao desordenamento. Outros atores terão que ser chamados, também, para participarem das ações, de modo a atender às demandas não só do setor hoteleiro, mas da população em geral”, respondeu.

Também por meio da assessoria, a gestão destacou que várias ações foram feitas na região, como a retirada de ligações clandestinas de energia elétrica, que ofereciam perigo às pessoas. “Estamos também agindo contra aqueles que mantêm na orla os carrinhos que devem ser retirados à noite, mas que ainda deixam o carrinho no local”.