Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

A atividade tornou-se muito comum entre os maceioenses que vieram no transporte por aplicativo uma alternativa de aumentar ou manter a renda familiar em tempos de crises. Mas estes profissionais sentem na pele nos perigos das ruas, não somente no período noturno. Com ausência de segurança, alguns motoristas de aplicativos têm adotados algumas estratégias para evitar assaltos ou outros crimes.

Alguns motoristas que precisam complementar a renda optaram a rodar somente até às 22h devido aos constantes assaltos registrados na capital, principalmente em áreas de maior vulnerabilidade.  Muitos rondam pela cidade em dois períodos e destacam os perigos encontrados no dia a dia.

Ao CadaMinuto, o motorista Pedro Glande relata que a insegurança é grande em qualquer horário devido à ausência de informação sobre o cliente que eles recebem pelo aplicativo sobre o cliente quando a corrida é aceita.

 “O que nós sabemos somente é o local onde a pessoa está e o nome dela. Mas o que ocorre, muitas vezes, é que vamos pegar uma pessoa quando chegar ao local é outra. Por isso a segurança para gente é quase zero”.

Leia mais: Falsos passageiros roubam veículo e pertences de motorista de aplicativo

Alguns motoristas que circulam em grupos pela cidade utilizam conversas, com uma espécie de códigos, para avisar aos amigos o destino que está tomando e quem está levando, possibilitando assim uma ação mais rápida em caso de desaparecimento ou desvio de rota.

Pedro Glande afirma que ele mesmo usa algumas estratégias, até para evitar se tornar uma vítima de assalto ou algo mais grave. Segundo ele, geralmente quando passa por um bairro mias perigoso deixa o aplicativo desligado para que ele não chame para outra corrida. “Quando ocorre de receber alguma chamada, procuro pegar somente aquele cliente que tem a classificação de vip, que é um usuário frequente do aplicativo”, disse o motorista.

Glande explica que a situação é para sua proteção nas ruas, já que muitos amigos passaram por situações perigosas, foram vítimas de assaltos ou corridas complicadas.

Em Maceió, os crimes contra os motoristas de aplicativos provocam medo na categoria. Somente no último mês, um motorista foi vítima de assalto e outro foi morto depois de ter sido atraído em uma emboscada.