Reprodução TV Pajuçara/Arquivo
Prisão de funcionária da Pata Voluntária

Nesta sexta-feira (5), Amropali Pedrosa Mondal, 28 anos, presidente da organização não governamental (ONG) Pata Voluntária, foi presa no bairro da Jatiúca, na parte baixa de Maceió. Além da responsável pelo abrigo, também foram detidas as voluntárias da ONG Nayane Perícia Silva Barros, 26, Maria Gisele do Nascimento Oliveira, 23.

No momento da prisão, a presidente do abrigo e as duas voluntárias foram encontradas com uma cobra e um cassaco em um apartamento de luxo no bairro Jatiúca. Após o flagrante, os animais foram resgatados e levados para a delegacia para a realização dos procedimentos cabíveis.

Em entrevista à imprensa, o delegado Leonam Pinheiro, um dos responsáveis pelo caso, junto aos delegados Fábio Costa e Thiago Prado, informou que as três confessaram o crime. Conforme Thiago, as mulheres devem ser autuadas por estelionato, falsa comunicação de crime, guarda de animal silvestre e associação criminosa.

Segundo o delegado Leonam, a delegacia está com diligências pedindo a quebra do sigilo bancário e o bloqueio dessas contas para diminuir os prejuízos que as vítimas tiveram.

O caso

Durante esta semana, a presidente do abrigo fez uma denúncia alegando um suposto assalto à sede da ONG. Segundo relato de Amropali, ela e as duas voluntárias teriam sido vítimas de agressão durante o crime.

As suspeitas alegaram também que os supostos assaltantes teriam roubado materiais usados para cuidar dos animais. Ao chegar ao abrigo, a polícia constatou que o local estava abandonado e sem animais.

Construção de hospital

Ainda segundo o delegado Leonam, a presidente do abrigo havia praticado um crime semelhante há cerca de dois anos. Conforme Amropali, o dinheiro arrecadado pela ONG seria destinado à construção de um hospital para animais. O valor estipulado gira em mais de R$300 mil, sendo o valor total arrecadado até o momento.

Valores arrecadados

No mês de junho, a ONG Pata Voluntária criou uma conta para arrecadar doações no site vakinha.com.br. Segundo a publicação feita na época, o objetivo era quitar supostas dívidas do abrigo. Ao final do prazo de doação, o abrigo conseguiu arrecadar R$ 77.682,83, tendo como objetivo arrecadar R$ 70 mil.