Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Todo o processo de modelar começa com formas geométricas, partindo de diagramas retangulares e a utilização de pontos, linhas, curvas e círculos. Nesta perspectiva, a professora de matemática Rosilene Nunes de Lima, da escola Municipal Haroldo da Costa, localizada no conjunto Salvador Lira, está ensinando a arte de corte e costura aos alunos da unidade de ensino.

Segundo a professora, tudo começou quando ela devolveu uma bolsa que havia consertado na frente dos alunos. “Quando fui devolver a bolsa a uma amiga professora, Evellyn Rayane de Santana do 6° ano do ensino fundamental perguntou se eu poderia ensinar a fazer material escolar. A partir daí, comecei a promover os encontros no contra turno, que acontecem uma vez por semana”, disse.

“Em nosso curso, primeiro eles aprendem a fazer os estojos escolares e aprendem também fazer porta-moedas, necessaire que serve para guardar toalhinhas, sabonete e escova de dente. Estamos ensinando a fazer também porta-documentos e vamos ensinar a fazer bolsas escolares simples. Quero que meus alunos sejam empreendedores, que eles ganhem seu dinheiro com suas produções e se sintam estimulados nas aulas de matemática”, esclarece Rosilene Nunes.

Flávia Micaelly da Silva Neves, 11 anos, do 6º ano do ensino fundamental está muito feliz. “Aprendi a fazer o ponto reto e zig-zag e já consigo fazer meu próprio estojo escolar”. Crislany Beatriz da Silva de 12 anos, também do 6º ano sonha em ser empreendedora. “Quero ganhar meu dinheirinho fazendo e vendendo esses produtos”, enfatiza.

Para a funcionária da escola, Maria Aparecida da Silva, 60 anos, é a oportunidade que ela esperava. “Quero também aprender, nunca costurei mas sempre tive vontade de aprender, faltava a oportunidade. Agora temos esses momentos aqui na escola e eu não perco um encontro”.

Sobre as máquinas de costura, Rosilene disse que foi necessário trazer sua máquina de costura de casa e comprar uma outra usada para iniciar o projeto. “Estamos em contato com as empresas, caso elas se interessem em doar máquinas para as nossas atividades. Já enviei nosso projeto para essas empresas e estamos aguardando”, afirmou a professora, enfatizando que já tem fila de alunos aguardando para aprender a arte de corte e costura.

Rosilene justifica que a matemática faz parte do dia a dia da moda, desde a criação das peças até o destino final, o consumidor. “Se a Base Nacional Comum Curricular – BNCC defende que os educandos devem ter autonomia intelectual, empatia e pensamento crítico, então a melhor forma para que haja esse equilíbrio é trazendo o significado do ato de estudar aos alunos, mostrando que a aprendizagem da escola servirá não somente para que eles se formem profissionais, mas cidadãos críticos e responsáveis”.