Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Mesmo com os direitos sociais garantidos pela legislação, depois do diagnóstico de câncer, para muitos pacientes que dependem do Sistema Único de Saúde (SUS), inicia-se uma via crucis para a busca de um atendimento adequado com exames e acesso a remédios. Um cenário frequente no país, pois os casos só aumentam.

Segundo pesquisa do Instituto Nacional do Câncer (INCA), do Ministério da Saúde, só no ano passado (2018), estimava-se que 5.050 novos casos de câncer poderiam ser diagnosticados. Desses casos, 630 sejam de próstata; 560 de mama; e 320 de cólon de útero. “Ainda não sabemos se os números foram confirmados, mas, são alarmantes e merecem nossa atenção. Por isso, nessa audiência, que será realizada nesta segunda-feira, 17 de junho, às 15h, no Plenário da Assembleia Legislativa, precisamos discutir políticas públicas que previnam a doença e que atendam adequadamente os pacientes em tratamento”, disse o vice-presidente da Assembleia Legislativa de Alagoas, deputado Galba Novaes, que é o autor do requerimento.

A sessão especial terá a participação de autoridades do setor e especialistas que irão proferir as seguintes palestras: Tratamento e cuidados multiprofissionais no combate ao câncer, Dra. Flávia Alencar; Câncer e psicologia: a importância da terapia no tratamento da doença, Psicóloga Sayonara Leite; Câncer: Prevenção é o melhor caminho, Dra. Maria Emília Barros Castro; Humanização no atendimento aos pacientes com câncer, Assistente social Maria das Graças Lopes Lima e Política Estadual de Enfrentamento ao Câncer: Rede de Oncologia – Secretaria de Estado de Saúde.

Além de Alagoas, que discute com o segmento a criação do Estatuto, legislação semelhante já foi aprovada e está valendo em Pernambuco, Paraíba, Goías e Amazonas. "Queremos ouvir todas as pessoas envolvidas para que tenhamos uma proposta que atenda os anseios e as necessidades dos pacientes aqui de nosso Estado também”, concluiu o deputado Galba Novaes.