Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Sindicalistas, funcionários públicos, professores, estudantes e trabalhadores de diversas categorias participam na tarde desta sexta-feira, dia 14, na Praça Centenário, no bairro do Farol, do ato em favor da Greve Geral  que acontece também em 26 cidades e na Capital Federal contra a proposta de reforma da Previdência que está em discussão na Câmara dos Deputados.

Equipes do Gerenciamento de Crises e da Rádio Patrulha estão no local para garantir a segurança.  “Temos apoio de unidades especializadas e todo um aparato foi montado objetivando garantir a segurança necessária para o ato programado”, afirmou Sandro Roberto, subdiretor do Centro de Gerenciamento de Crises, Direitos Humanos e Polícia Comunitária (CGCDHPC) da Polícia Militar.

“A reforma da Previdência vem retirando direitos das forças de segurança”, disse o presidente do Sindicado dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol) Ricardo Nazário. O sindicalista falou ainda que as medidas atingem não só os policiais civis, “mas também os policiais federais, rodoviários federais, agentes penitenciários e os guardas municipais estão perdendo aposentadoria especial , além  do aumento da alíquota previdenciária”.

Outro ponto questionado por Nazário é o tratamento diferenciado que o governo Bolsonaro tem dado às forças armadas. “Nós somos as forças de segurança pública e porque não olhar diferenciado para a gente também, somos nós que estamos diariamente defendendo a sociedade”, disparou o sindicalista.

 

 

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Maceió e Região Metropolitana do Estado de Alagoas (Sindspref)  Sidney Lopes comentou que a mobilização da categoria é “contra a reforma da previdência e pela liberação dos recursos para a educação”.

Nelson Cordeiro, diretor do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde (Sindacs) falou que os agentes de saúde e de combate às endemias participam do ato e “defendem a aposentadoria especial já que exercem atividades insalubres”.

Segundo os organizadores cerca de 20 mim pessoas participaram do ato em Maceió. 

Durante a manhã diversos pontos da capital e do interior foram bloqueados por manifestantes que atearam fogo em pneus impedindo a circulação da população.

 

 

Transporte

Os rodoviários aderiram à greve e conforme determinação da justiça 70% da frota está circulando na capital, o que desde cedo tem provocado uma intensa concentração de passageiros nos pontos de ônibus.  O número de viagens de trens e Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs) também foi reduzido.

BR´s

As BRs 316 em Satuba (no km 267); a 101 (km 179) em Junqueiro; a 104 (km 39) em União e a 424 (km 96,6) no Polo, foram liberadas no final da manhã, conforme informações da assessoria de Comunicação da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Mascarados

Estudantes com os rostos cobertos atearam fogo na BR-14, em frente à entrada da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Segundo os alunos, a mobilização foi contra o contingenciamento de verbas para as universidades e ficaram “mascarados” por questão de segurança.

Bancos

Conforme o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários do Estado de Alagoas os bancários do estado aderiram à greve, porém algumas agências que estavam funcionando apenas com os caixas eletrônicos abriram para atendimento ao público no final da manhã.

 

*Estagiária sob supervisão da editoria