Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Guilherme Brandão

Após cinco anos e três meses de um dos crimes que chocou a sociedade alagoana, o acusado de matar o empresário Guilherme Brandão em Fevereiro de 2014 [dono do Maikai], Marcelo dos Santos Carnaúba vai a júri popular nesta quinta-feira (13).

Em entrevista ao CadaMinuto, o pai de Guilherme, José Eutímio Brandão afirmou que acredita que o crime tenha sido premeditado. “Ele foi extremamente frio, ele planejou tudo, modificou configuração das câmeras, inverteu posições para que nada viesse a prejudicar ele”.

Como parte do plano de assassinato, Marcelo Carnaúba chegou a conceder folga a alguns funcionários da casa de shows naquela mesma data. A outros, ele sugeriu que chegassem mais tarde no expediente.

Na manhã do dia em que ocorreu o crime, o gerente ligou o gerador de energia do estabelecimento, algo incomum no cotidiano da casa noturna, com o objetivo de disfarçar qualquer tipo de barulho diferente que despertasse suspeita quanto ao que estava prestes a ocorrer no escritório onde trabalhava.

Segundo a denúncia do Ministério Público, Guilherme Brandão foi atingido por um disparo de arma de fogo na região da nuca, o que fornece a certeza de que o empresário recebeu o ataque nas costas e pelas costas. Ainda na denúncia, o MP disse que Guilherme não teve chances de defesa. 

Ainda segundo José Eutímio, a família era ciente de todas as falcatruas em que Carnaúba é acusado de realizar no financeiro da empresa. “Temos tudo isso documentado e tenho certeza que a punição será justa, pois tenho convicção que toda a justiça está agindo da maneira correta e legal”.

O júri popular será conduzido pelo juiz Geraldo Cavalcante Amorim, titular da 9ª Vara Criminal de Maceió.

*Estágiario sob supervisão da editoria