Foto: Assessoria Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Davi Maia

O aumento na conta de água, que será reajustada em 6,22%, foi duramente criticado pelo deputado Davi Maia (DEM) durante a sessão ordinária desta terça-feira, 11. De acordo com o parlamentar, de 2015 até o momento a soma dos reajustes promovidos pela Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) chega a 66%. “Um aumento maior do que o gás de cozinha, que teve um reajuste de 52% e da gasolina com 55%. Se a Casal mantiver essa média de aumentos, em 15 anos a conta de água vai subir 198%, enquanto o salário mínimo subirá 99%”, avalia Maia, informando que protocolou requerimento para que os diretores da Casal e da Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Alagoas (Arsal), que autoriza o reajuste, expliquem as razões dos constantes aumentos da tarifa.

Durante o pronunciamento, Maia destacou que o valor investido pela Casal em saneamento corresponde a um terço da média nacional. “E nos cobra uma das tarifas mais caras do País. Alagoas perde 45% da sua água tratada e, de acordo com levantamento feito pela Confederação Nacional da Indústrias, apenas 19% da população alagoana teve acesso a rede de coleta de esgoto”, informou o deputado, apresentando novo dado da SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento), apontando uma redução de investimento por parte da Casal

O parlamentar disse que contratou um instituto de pesquisa para saber a opinião do maceioense sobre os serviços prestados pela Casal e, de acordo com os dados levantados, mais de 46% dos entrevistados consideraram o abastecimento de água péssimo, ruim ou regular. Segundo Maia, foram ouvidas 1.201 pessoas entre os dias 2 e 3 de maio. “A insatisfação é maior nas regiões mais pobres como Ponta Grossa, Levada, Trapiche e Prado, onde o percentual chega a 52,2%”, declarou o parlamentar, acrescentando que 40% da população, assim como Maia, se mostra favorável a privatização da Casal.

Em aparte, a deputada Cibele Moura (PSDB) se associou ao pronunciamento do colega de plenário. Ela, que também se coloca favorável a privatização das estatais, disse que é “preciso parar de pensar em privatização como um bicho de sete cabeças”. “Precisamos encontrar uma solução para a Casal. Não tem uma cidade nesse Estado em que a população esteja satisfeita com os serviços prestados”, declarou a parlamentar.