Vanessa Alencar/CM/Arquivo Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Deputado Paulão

O deputado federal Paulão (PT) usou sua conta no Twitter para repercutir os desdobramentos da divulgação, pelo site The Intercept Brasil, de conversas entre o então juiz Sérgio Moro, ministro da Justiça, e procuradores da Operação Lava Jato.

“A imprensa noticiou que o Alto Comando das Forças Armadas está com o Moro. Alguém tinha dúvida? O comportamento do ex-ministro do Exército mandando um recado ao STF, já demonstrava o interesse pela eleição do Bolsonaro”, disse o parlamentar, em um dos posts publicados nesta terça-feira (11).

Paulão se referiu as declarações do general Eduardo Villas Bôas, no ano passado, de que estaria pronto para "intervir" caso o Supremo concedesse Habeas Corpus ao ex-presidente Lula (PT), em abril de 2018.

Já ontem (10), o deputado alagoano disse que “o comportamento das Forças Armadas é lamentável diante do maior escândalo da história de integrantes do judiciário brasileiro”, em referência ao silêncio oficial das Forças Armadas sobre o episódio.

Em outras postagens, Paulão também criticou as declarações do ex-presidente FHC (PSDB) sobre o caso - “não é postura de um estadista. Toda vez que envolve um assunto com Lula, ele se apequena” - e as notas de solidariedade de entidades do Poder Judiciário ao ministro da Justiça.

Ele também ironizou a demora de Bolsonaro em prestar solidariedade a Moro: “Demorou muito para dar uma nota de apoio ao Moro. Em relação ao Neymar foi um apoio flash” , defendeu a liberdade imediata de Lula e o afastamento do ministro do cargo: “Se o Moro tivesse com o Brasil, pediria afastamento do cargo. O país está paralisado”.