Foto: Divulgação / Assessoria Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Músicos da banda Black Balanço

Estamos no ano de 2019 e a “viagem no tempo” ainda é uma obsessão do homem que um dia descobriu o fogo. Grandes mentes da humanidade criaram inúmeras teorias tentando decifrar os caminhos para voltar ao passado ou vislumbrar o futuro. Já em 1985 o cinema nos deu o DeLorean, em “De volta para o Futuro”. Um carro capaz de saltar no tempo para uma vida que não vivemos e para aquela que sonhamos viver.

Passados 34 anos, os músicos Dinho Zampier, João Hugo Lyra, Paulo Franco, Ykson Nascimento e San Costa, nos dão a “Black Balanço”. 

Homenageando nomes como Tim Maia, Cassiano, Hyldon e Sandra de Sá, a banda “Black Balanço” promete uma viagem com todo o swing do Soul e da Black Music Brasileira dos anos 70. 

Zampier, tecladista e produtor que tem em seu currículo trabalhos com a banda Mopho, Cris Braun e Wado, embarcou no projeto pelo prazer de tocar com amigos e abrir o cenário em Alagoas para os clássicos de um gênero que marcou época com os hits “Todos Estão Surdos”, “Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda” e “Olhos Coloridos”.

A motivação não foi diferente para o vocalista e guitarrista Paulo Franco, rosto conhecido dos festivais de música do estado. Para o músico, a identificação com o repertório também foi fundamental para fazer da “Black Balanço” uma banda que ecoa riffs, batidas e verdade. Em tempos de fake news, que assolam a sonoridade brasileira há tempos, é sempre bom ouvir a sinceridade musical de quem tem algo a dizer.

Mas na receita do grupo ainda tem espaço para um ingrediente indispensável em qualquer forma de arte: sentimento. Senhoras e Senhores, com vocês, João Hugo!

O alagoano que chamou a atenção pelo timbre do síndico Tim Maia, vem de um trabalho autoral que merece ser descoberto. Dividindo os vocais com Franco, João empresta talento e paixão à frente da banda e traz a energia necessária para comandar o baile.

Assim, compartilhando experiências e revisitando o passado, a “Black Balanço” já está com os amplificadores ligados para levar o público alagoano em uma viagem pelo melhor do soul e da black music, numa relax, numa tranquila, numa boa.