Vinícius Firmino/Ascom ALE Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Plenário da Assembleia Legislativa

A defesa de Renan Filho (MDB) para que o país tenha uma reforma da Previdência única, incluindo estados e municípios, repercutiu na sessão desta quinta-feira (6), na Assembleia Legislativa de Alagoas. Davi Maia (DEM) “parabenizou” o governador por ter se redimido sobre o tema.

O parlamentar se referiu ao encontro ocorrido ontem (5), na presidência do MDB, em Brasília, quando a bancada do partido se reuniu com os governadores para defender a inclusão dos estados e municípios na reforma.

“O plano era o governador ficar com o bônus da reforma e o bônus de ser contra... Mas, ontem Renan Filho se redimiu, coisa rara nele... Foi a Brasília pedir que os deputados federais não retirem os estados da reforma... Até me emocionei”, ironizou Maia.

“Depois da articulação dos deputados federais, assisti ontem o nosso governador calçar as sandálias da humildade e pedir à bancada que, por favor, deixem os estados na reforma... O governador quer a reforma, defende a reforma da Previdência! Como esse mundo dá voltas”, prosseguiu o deputado, alfinetando: “Às vezes, o problema do sabido é achar que todo mundo é besta...”.

Em resposta, o líder do governo na Casa, Silvio Camelo (PV) afirmou que “quem tem ideia fixa é doido e o governador pode ser tudo, menos doido... Ele já é humilde e pode voltar atrás”.

Também em aparte, Bruno Toledo (PROS) disse que o governador se pauta muito pela mídia, pelo “ouvi dizer” e pelas redes sociais: “A reforma previdenciária é necessária, mas porque o governador quer que ela seja resolvida na esfera federal? Porque se vier pra cá pode gerar ônus pra ele... Políticos midiáticos, que se pautam nas redes sociais e na opinião pública, não merecem aplausos não”.

Ao fim da discussão, o presidente da Casa, Marcelo Victor, lembrou que Renan Filho nunca foi contrário a reforma, mas crítico de alguns pontos dela, a exemplo da idade avançada para a concessão integral do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Justiça seja feita: o presidente tem razão.

Renan Filho não foi, não é e não deverá ser “garoto propaganda” da reforma, mas já disse publicamente, em mais de uma ocasião, que concorda com ela, pois é necessária.