Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Quando engravidei e o ultrassom mostrou que teríamos um menino, eu e e meu marido vibramos. Era o filho homem tão esperado, depois de termos uma menina, e finalmente formamos o casal de filhos que tinhamos planejados. Um menino e uma menina lindos e saudáveis.
E  a vida ia seguindo, até percebermos um comportamento diferenciado em nosso menino. Ele desde pequeno pedia para vestir roupas de menina e se comportavava como tal. Pensávamos que como convivia e  tinha duas mulheres  defronte ao espelho diário, eu e a irmã ,fazia tudo por imitação.Achavamos engracadinho, e não demos muita importância.
Entretanto, o  passar do tempo só acentuava o comportamento. Aos 3 anos ele me pediu para colocar um rabo de cavalo e roupas de menina.Decidimos atender as vontades, compramos as roupas e só usava para dormir. Aos poucos liberamos para usar as roupas, socialmente. E a felicidade do meu filho foi tão genuína que sabemos que foi a coisa certa a se fazer.
Sim, sabemos de todos os preconceitos e opressões pelos quais nossa meninoa vai passar todavia, como pais não podíamos manter nosso filho em uma prisão, em nome  da aparência social. E foi assim que descobrimos o que e  identidade de gênero.
Somos uma família e meu filho está feliz. É o que basta-disse a mãe.