Daniel Paulino / CM Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Assembleia na Ufal

Contra o corte das verbas nas universidades e institutos federais, a reforma da previdência e a deliberação da Greve Nacional da Educação, estudantes, professores e trabalhadores da Universidade Federal de Alagoas (Ufal)  se reuniram nesta quinta-feira, dia 08, no Campus A.C. Simões, em Maceió. Na assembleia os participantes decidiram por fazer na próxima quarta-feira, dia 15, um ato em repúdio aos cortes no orçamento feitos pelo governo Federal, que conatará com a participação de todas as categorias que representam a educação pública de Alagoas.

Moisés Ferreira, coordenador Regional do Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal de Alagoas (Sintufal) comentou que “os trabalhadores da educação e os estudantes estão unidos para mostrar que os ataques que as universidades e institutos federais estão sofrendo não passarão”.

Sobre a paralisação nacional convocada para o próximo dia 15, pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Moisés comentou que “a greve é um instrumento de luta da classe trabalhadora, no entanto nós só a utilizaremos em última instância, o que queremos agora é dialogar”, reforçou o sindicalista.

Moisés ressaltou ainda que, “a comunidade universitária quer mostrar a importância do ensino superior público, da pesquisa e toda a contribuição que a universidade oferta aos alagoanos”, concluiu o coordenador Regional.

Ifal

Já nesta tarde, também em assembleia, os servidores do Instituto Federal de Alagoas (Ifal) aprovaram adesão à Greve Nacional da Educação, no próximo dia 15, e a categoria aprovou também parar no dia 14 de junho,  na Greve Geral contra a Reforma da Previdência.

*Estagiário sob supervisão da editoria.