Reprodução Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Após corte, assembleia com estudantes e trabalhadores debate paralisação

Estudantes, professores e trabalhadores da Universidade Federal de Alagoas estarão reunidos nesta quinta-feira (09) para definir sobre a paralisação nacional, em protesto contra os cortes no orçamento das unidades públicas feito pelo Governo Federal.

Uma paralisação nacional foi convocada para o próximo dia 15 pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) “Estamos passando por um momento crítico onde a educação pública do país está correndo risco de parar com esses monstruosos cortes de verbas do governo Bolsonaro. Precisamos unificar nossa luta e resistir a mais esse ataque”, afirmou o presidente da Adufal, Jailton Lira.

Lysanne Ferro, integrante do Diretório Central de Estudantes (DCE), Quilombo dos Palmares, afirmou que a proposta é realizar a mesma atividade em todos os polos da Ufal em Alagoas para chamar a atenção de toda comunidade acadêmica.

As Universidades Públicas são responsáveis por mais de 90% das pesquisas científicas no Brasil, o que demonstra a capacidade do povo brasileiro em produzir e propor alternativas de superação para os problemas reais da sociedade.

 Os resultados desses trabalhos nas áreas de ensino, pesquisa e extensão também estão presentes no estado de Alagoas, nas mais diversas áreas do conhecimento.

​A Ufal, maior Universidade Pública do estado, com quase uma centena de graduações e milhares de pessoas envolvidas em suas atividades, faz parte desse esforço social, estando presente em todo o território alagoano, do litoral ao sertão.

Contudo, o corte de 30% dos recursos da Universidade ameaça o seu funcionamento e compromete o próprio desenvolvimento social e econômico alagoano. Por isso, é necessário que toda sociedade se mobilize para enfrentar mais esse ataque à educação brasileira.