Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O alagoano, de São Miguel dos Campos, André Ribeiro Aprigio foi agraciado com a maior honraria brasileira, a comenda da Ordem de Rio Branco, no grau de Oficial. Outorgada por decreto presidencial, a Ordem de Rio Branco foi criada em 1963 para reconhecer formalmente indivíduos brasileiros e estrangeiros que contribuíram para a promoção das relações internacionais do Brasil.

A imposição de insígnias ocorre na data em que se comemora o aniversário do Barão do Rio Branco (20/4), patrono da diplomacia brasileira, e o Dia do Diplomata. Em 2019, excepcionalmente, a celebração ocorreu em 03/maio, no Palácio Itamaraty - Ministério das Relações Exteriores, em Brasília. 

André Aprigio recebeu a comenda ao mesmo tempo que outras autoridades, como o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, o astronauta e ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, dentre outros. 

O conselho da Ordem, que aprova e indica os agraciados, é constituído pelo presidente da República, Grão-Mestre da Ordem; pelo ministro das Relações Exteriores, na qualidade de Chanceler; pelos chefes das Casas Civil e Militar da Presidência da República e pelo secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores. O chefe do cerimonial do Itamaraty é o secretário da Ordem.

André Aprigio é alagoano, administrador e jornalista, com vivência internacional e cultural bastante alargada, tendo residido – profissional e academicamente –, em países como Estados Unidos e Portugal (longa duração) e Grécia, Argentina, Chile, Cingapura, Malásia e Brunei (curta duração).

Foi pesquisador visitante no Instituto de Relações Internacionais da Universidade de São Paulo (IRI/USP), onde realizou doutorado sanduíche, entre os anos de 2016-17, em cooperação com a Universidade do Minho - Portugal, de onde também possui o grau de mestre e o título de especialista em Relações Internacionais e finaliza seu doutorado em Ciência Política e Relações Internacionais. 

Sua carreira profissional foi galvanizada por experiências na área de comunicação e public affairs lidando com temas de impacto local, nacional e internacional em diversos setores. 

É também escritor e autor do livro referência em diversas universidades brasileiras: Paradiplomacia e Interdependência: as cidades como atores internacionais, que retrata a importância da “diplomacia das cidades” para atração de investimentos. 

Em 2018, André assumiu a cadeira no. 53 da Academia Maceioense de Letras, recebendo igualmente a comenda Cavalheiro de Diamante.