Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O jornalista da UOL, Menon, afirma em seu Twitter que foi ameaçado por  Rafael Tenório, atual presidente do Centro Sportivo Alagoano (CSA),  após publicação em seu blog.

Em seu post, o jornalista comenta que Rafael além de empresário é político, e questiona a declaração de patrimônio do presidente, que chega a R$ 71.251.493,33. 

Dando a entender que  Rafael usa do poder aquisitivo e parcerias políticas como "Renan Calheiros, reeleito senador por Alagoas. O político mais rico do estado nas eleições de 2018. Dono de 59 apartamentos, dez terrenos e nove casas", para direcionar o sucesso do time, onde em todos os anos de ascensão tinha um político por trás. Porém, o presidente do CSA chegou a ser eleito como suplente de senador na última eleição.

Menon faz uma associação de que em todos os anos que o CSA obteve uma ascensão no futebol, seja ele no cenário estadual ou nacional, por coincidência ou não, havia uma figura política e de nome importante atuando nos bastidores do clube, visto que Fernando Collor é ex-presidente da república, Renan Calheiros é ex- governador do Estado. Muito disso pode estar ligado ao fato de que após o sucesso do CSA chegar a série A, a equipe que tem como gestor o Tenório atraiu a atenção de investidores chineses.   

No entanto, em um print da mensagem enviada de Rafael para Menon, ele alega que não é político, e, não está sendo investigado pela Lava-Jato e não possui nenhum vínculo com governos. 

Além disso, Tenório diz que o CSA obteve sucesso porque teve uma boa administração, com processos modernos no clube. 
Rafael pede ainda que Menon não o compare com esses "ladrões, filhos da puta".



A publicação do jornalista dá a ideia de que o clube cresceu com dinheiro público, de desvio de verbas, de corrupção. Afinal, como o clube pode ter subido e, após todos esses anos de investimento, o Tenório ainda ter tanto dinheiro?