Foto: Assessoria Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Deputada Ângela Garrote

A deputada Ângela Garrote (PP) usou a tribuna da Assembleia Legislativa nesta terça-feira, 23, para chamar atenção dos efeitos negativos da mudança na forma de repasse dos recursos federais para prevenção e tratamento de glaucoma, doença que pode levar à cegueira. “Recentemente, esta Casa promoveu uma sessão especial que debateu o programa de combate ao glaucoma no Estado, liderada pelo deputado Davi Davino, onde os ministérios públicos Federal e Estadual; o Governo do Estado e a Prefeitura de Maceió chegaram a um consenso sobre o atendimento aos pacientes e o tratamento do glaucoma foi retomado em Alagoas”, disse.

Entretanto, a deputada salientou que foi surpreendida com uma matéria no site Gazeta Web afirmando que pacientes com glaucoma enfrentam filas e dificuldades para ter acesso ao colírio. Ela citou trecho da matéria que destaca as longas filas formadas no local, situação agravada pelo fato de serem distribuídas apenas 150 fichas para as pessoas serem atendidas no Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (Ceaf). “Quero aqui fazer um apelo ao governador Renan Filho e ao competente secretário Alexandre Ayres que vejam com carinho a situação desses pacientes”, finalizou Ângela Garrote.

Indicação

Em aparte, o deputado Davi Davino Filho (PP) lembrou que na semana repassada falou que a antiga Farmácia de Medicamentos Excepcionais (Farmex) tinha uma capacidade para atender 20 mil pacientes/mês e, a partir do momento em que ela ficou responsável pela distribuição dos colírios para os portadores de glaucoma, passou a atender 35 mil pacientes/mês com a mesma equipe de antes. “Mais 15 mil atendimentos utilizando a mesma estrutura e o mesmo efetivo de recursos humanos. As autoridades competentes precisam se sensibilizar e colocar mais gente para atender esse pessoa”, desatacou. Por conta disso, Davino apresentou indicação solicitando ao Governo do Estado a ampliação no quadro de servidores da Farmex com o objetivo de reduzir as filas dos pacientes portadores de glaucoma no acesso ao tratamento com colírios.