Vinícius Firmino-Ascom ALE Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Deputada Jó Pereira

A deputada estadual Jó Pereira – que é do partido do governador Renan Filho (MDB) – iniciou a legislatura na busca por emplacar uma postura, segundo ela mesma, “independente”. Só que – no início do ano – os Pereiras não faziam parte do primeiro escalão do governo estadual. Agora, com Fernando Pereira indicado para a pasta do Meio Ambiente, o bloco da deputada passa a estar no Executivo.

Pois bem, na sessão ordinária da Assembleia Legislativa ocorrida no dia de hoje, 17, entrou em pauta um veto do governo à emenda que destina R$ 100 milhões a área de oncologia. Jó Pereira era contrária ao veto e votou junto com o bloco de 18 parlamentares que derrotaram o governo a Casa de Tavares Bastos. Apenas o deputado estadual Olavo Calheiros (MDB) – que é tio do governador Renan Filho – votou pela manutenção do veto.

A postura de Jó Pereira incomodou Olavo Calheiros. O tio do governador queria uma base governista mais governista, ainda mais diante dos espaços ocupados pelos aliados políticos. Pereira usou da palavra para defender a emenda. Calheiros classificou como “inócua” e disse que o posicionamento da colega também emedebista era apenas “político”.

E aí, veio o ataque de Calheiros: “Achava que Davi Maia (Democratas) era o maior opositor do governo nessa Casa, depois viria o deputado estadual Bruno Toledo (PROS), mas eles estão em segundo e terceiro lugar, porque a primeira oposicionista é Vossa Excelência (se referindo a Jó Pereira)”. É MDB versus MDB dentro do parlamento.

O líder do governo – Sílvio Camelo (PV) – também tentou colocar Jó Pereira contra a parede, afirmando que ela – apesar de se declarar independente – tinha tido postura de oposição.

Camelo e Olavo pareciam cobrar uma fatura. Mas, Pereira respondeu: “É uma pena que me rotule como oposição, já que minha prática sempre demonstrou coerência. Estou lutando não politicamente, mas por uma causa que é maior que isso: Saúde. Quem tem câncer tem pressa e se não socorrermos, muitos morrerão (...)”. A deputada ainda frisou que será oposição quando for para defender seus posicionamentos.

Pois é, Jó Pereira. É o preço!

O destaque que a parlamentar busca – nas posições independentes que quer ter – se choca, queira ela ou não, com o que o MDB (do qual faz parte) parece entender como “articulação”. E eis que Jó Pereira teve que dar satisfações. Eu disse, em textos aqui publicados, que isso aconteceria. Não se trata apenas dos espaços que os Pereiras ocupam dentro da administração estadual, mas também da parlamentar tentar trilhar um voo maior na política alagoana, o que a coloca também em holofotes. Os governistas sabem que isso pode trazer problemas futuros.

E ninguém mais governista na Casa do que o tio do governador e seu líder do governo. Um levantou a bola e o outro cortou. Tudo indica que assim serão outras vezes.

Resta saber se isso vai influir na presença de Fernando Pereira no governo! Afinal, quanto mais Jó se opor ao que for do interesse dos Calheiros, mais ela ficará na berlinda...

Estou no twitter: @lulavilar