Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Madson Monteiro, 1o Secretario responsável pela administração da Casa

A transmissão ao vivo das sessões da Câmara Municipal via redes sociais (Facebook), uma novidade que deu transparência à Câmara de Vereadores de Palmeira dos Índios  continuam suspensas e até agora nenhuma justificativa foi dada pela nova Mesa Diretora da Câmara Municipal presidida por Agenor Leôncio.

Na semana passada a sessão ordinária foi substituída por uma audiência pública para tratar da demarcação de terras indígenas e o assunto de interesse geral da população foi ocultado das redes sociais, onde a população teria mais comodidade e acesso.

Indagada num grupo de whatsaap a autora da ideia, a vereadora Ana Adelaide (MDB) não soube explicar o motivo da suspensão da transmissão e disse que a responsabilidade é do vereador Madson Monteiro, 1º secretário da Casa.

"Espero que (voltem) sim! Cobro sempre. Mas essa questão quem resolve é o vereador Madson Monteiro que me garantiu o retorno", frisou a vereadora.

Relembre o caso

A informação que chegou em Janeiro a redação da Tribuna do Sertão de que as sessões não seriam mais transmitidas se confirmou nas três primeiras sessões do ano, realizadas neste mês de fevereiro (20 e 27 de janeiro e 13 de fevereiro).

Há 20 dias entramos em contato com membros da edilidade palmeirense para checar a informação sobre a suspensão, mas justificaram a ausência da transmissão dizendo que por uma reforma na parte elétrica do plenário da Casa houve o desligamento temporário do sistema e que na semana seguinte - antes da sessão - o caso já estaria resolvido, o que não foi.

Contudo, mesmo passando 20 dias, prazo suficiente para que se resolvesse o problema do desligamento do sistema de transmissão, a Câmara de Vereadores realizou novas sessões sem a transmissão que dá acesso a população de assistir ao vivo, sem ter que se deslocar ao plenário da Casa Legislativa, a atuação dos vereadores palmeirenses.

A atitude é "estranha", disse anteriormente o advogado Francisco de França, ex-presidente da Casa na década de 90 e esposo da vereadora Ana Adelaide que fez a indicação para que as transmissões das sessões fossem realizadas pelas redes sociais ao vivo.

França que também já foi vice-prefeito do município reforçou o protesto inclusive nas redes sociais indagando o porque da ausência da transmissão que vinha tendo boa audiência do público.

"Deve ter uma boa explicação para isso. Conheço o presidente é um homem sério e de bem. A transparência interessa a todos, além de ser a oportunidade de dar visibilidade ao trabalho dos vereadores. Essa é a segunda sessão que não é transmitida. Estranho", arrematou, o advogado que obteve em sua postagem vários apoiadores que criticaram a medida (até agora sem explicação) da Mesa Diretora da Câmara.