Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Osvaldo Maciel, professor da Universidade Federal de Alagoas denuncia, em sua página da rede social:

“O sindicato ao qual eu sou filiado, Adufal, numa conjuntura grave de ataques às universidades e a toda a sua comunidade, que tem como alvo privilegiado desde os segmentos discente, docente e técnico, passando pelos que ocupam cargos de administração, pois bem, o meu sindicato pede a prisão da única reitora do Brasil que falou que era golpe publicamente antes do golpe de 2016 se consumar! Uma reitora e uma equipe de gestão que usa o diálogo e a negociação como estratégias de construção das pautas e encaminhamento das demandas. Uma gestão liderada por uma reitora que vem dos movimentos de base e que possui uma história de compromisso com as questões sociais que é elogiada e referenciada em âmbito nacional.
Estudo a história do sindicalismo brasileiro há muitos anos. Tenho mestrado e doutorado na área. É difícil encontrar um ato deste nível em toda a história do sindicalismo brasileiro.

Um sindicato que representa docentes da UFAL, e que colabora com o projeto atualmente em curso de destruição da universidade brasileira.

Perguntado do por que da ação do Sindicato, Osvaldo explica: Existem causas ganhas de vários anos que, por não terem sido incorporadas aos vencimentos, estão sendo retiradas pelo governo federal em várias universidades brasileiras, inclusive na UFAL. A Adufal, por uma leitura absolutamente equivocada do processo ou por má fé, julga que a culpa é da reitora. A partir desse entendimento, todas as ações do sindicato têm sido em torno de atacar a reitoria em vez de entender melhor quem é o verdadeiro inimigo.

Fonte:https://www.facebook.com/osvaldo.maciel.