Agência Alagoas Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true


 

Iniciado em 2015, com o projeto-piloto da Escola Estadual Marcos Antônio, no Benedito Bentes, em Maceió, o Programa Alagoano de Ensino Integral (Palei) beneficia hoje mais de 14 mil estudantes em 53 unidades distribuídas entre 28 municípios do Litoral ao Sertão, do Agreste à Zona da Mata, do ensino fundamental ao médio e médio profissionalizante.

Estruturado com ações voltadas à melhoria da qualidade do ensino e do cotidiano escolar, com práticas pedagógicas inovadoras visando formação do aluno de forma holística, abrangendo conhecimento, comportamento e formação do indivíduo, o programa de Ensino Integral da rede estadual prepara estudantes para a concorrência do mercado de trabalho, mas também com o olhar na universidade, além de retirá-los de ambientes de vulnerabilidade social e garantir ainda refeições durante as 10 horas que permanecem na escola.

Dentre as atividades desenvolvidas nestas unidades, além de cursos técnicos profissionalizantes para integral médio, são disponibilizadas disciplinas eletivas, aulas de robótica, dança, esportes, projetos integradores em várias áreas, estímulo à iniciação à pesquisa científica, dentre outros.

Colhendo Frutos - Em poucos anos, as escolas de ensino integral têm produzido resultados concretos e qualitativos ao ensino público, colhendo bons frutos: estudantes motivados, autoconfiantes, jovens mais preparados enriquecendo o mercado de trabalho, aprovações em universidades e outras instituições de ensino superior, entre outros.

Foi assim com Carlos André dos Santos Silva, ex-estudante da Marcos Antônio. Ele concluiu o ensino médio com um certificado em Técnico de Recursos Humanos e hoje aguarda o início das aulas do curso de Administração, na Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

“Tive a honra de representar minha escola em vários eventos e competições, dentro e fora do estado. Nestas experiências, pude comprovar o compromisso que esta gestão e todos os servidores da Seduc têm com o povo e com a educação pública de Alagoas. Terminei o ensino médio com certificação profissionalizante, consegui passar em 4º lugar na Ufal no curso que, no decorrer de três anos, acabei por me identificar, consegui formar uma rede de contatos maravilhosa e hoje já consegui meu primeiro emprego. Sinto-me o jovem mais realizado por tantas conquistas e aprendizados”, declarou Carlos.

Inúmeras experiências positivas por meio do ensino integral alcançaram estudantes. Uma foi a da aluna Beatriz Fidelis Paulino, da Escola Estadual Dr. Carlos Gomes de Barros, em União dos Palmares, que representou Alagoas no programa Jovens Embaixadores, em intercâmbio promovido pela Embaixada dos Estados Unidos.

“Em 2016 eu iniciei meu ensino médio integral integrado à base profissionalizante, na época para mim estava claro que teria uma educação diferente, mas eu não conseguiria calcular o impacto. As matérias eletivas nos deram autonomia para fazer o que gostávamos, a reativação do Grêmio estudantil da minha escola incentivou ainda mais o protagonismo juvenil e a ideia de fazermos e não só falarmos, fez com que eu crescesse enquanto ser humano e enquanto estudante, com a imersão de mais de 10h por dia dentro de uma escola. Cresci verdadeiramente e agradeço ao Estado de Alagoas por acreditar e investir na educação”, enfatiza a jovem Beatriz, que, recentemente foi aprovada no curso de Direito da Ufal.