Com o objetivo de traçar estratégias na área do meio ambiente para promover qualidade de vida à população, foi aberta nesta terça-feira (13), a 1ª Conferência Estadual de Saúde Ambiental. O evento é uma ação do governo do Estado, promovido pelas secretarias de Saúde, Infraestrutura e Meio Ambiente e Recursos Hídricos.

 

A conferência está sendo realizada no auditório do Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso, em Maceió. A abertura contou com a presença do secretário da Saúde, Herbert Motta, que representou o governador Teotonio Vilela Filho. Durante a conferência, que prossegue nesta quarta-feira (14), será produzida uma Carta de Maceió, que será apresentada de 9 a 12 de dezembro, em Brasília, durante a Conferência Nacional de Saúde Ambiental.

 

O secretário da Saúde, Herbert Motta, ressaltou a importância de reunir técnicos das três secretarias e representantes da sociedade civil organizada para formular diretrizes que irão subsidiar políticas públicas voltadas para a área da saúde e com isso fomentar ações de cidadania, qualidade de vida e promoção do desenvolvimento sustentável.

 

“Um dos nossos focos é viver em harmonia com o meio ambiente para que possamos usufruir dele sem contrairmos doenças, por isso é imprescindível a interdisciplinaridade entre Meio Ambiente, Infraestrutura e Saúde”, afirmou.

 

O representante do Ministério da Saúde (MS), Luiz Belino, destacou a iniciativa do evento, porque representa uma oportunidade democrática de discutir as ações em âmbito interdisciplinar, já que reúne o poder público e a sociedade civil organizada.

 

“Percebemos, o interesse do governo de Alagoas em promover ações nas áreas de infraestrutura e meio ambiente, que colaboram para sanar problemas ligados à saúde, evidenciando que a promoção da saúde pode ser efetivada por meio de ações intersetoriais”, disse.

 

A Conferência de Saúde Ambiental está sendo realizada em consonância com as deliberações e aprovações dos delegados da III Conferência Nacional de Meio Ambiente (Conama), 13ª Conferência Nacional de Saúde (CNS) e 3ª Conferência Nacional das Cidades (Concidades) e tem como tema “A saúde ambiental na cidade, no campo e na floresta: construindo cidadania, qualidade de vida e territórios sustentáveis”.

 

Para isso, foram consideradas as características demográficas, epidemiológicas, socioeconômicas, geográficas, ambientais e culturais que compõem a singularidade do território alagoano.

 

Até quarta-feira, serão eleitos 29 delegados que irão representar movimentos sociais da cidade, do campo e da floresta, trabalhadores formais e informais, associações, sindicatos, federações e confederações de trabalhadores, centrais sindicais, setor empresarial, cooperativas, entidades profissionais, acadêmicas e de pesquisa, organizações não governamentais, poder público estadual, municipal e federal.