Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

A resposta para a pergunta acima começa a ser respondida com a escolha, por parte do governador Renan Filho, dos nomes que irão compor o novo secretariado. Hoje, em fevereiro de 2019, três nomes aparecem nessa disputa.

O primeiro seria o chefe do MP, Alfredo Gaspar Mendonça, que tem seu filho Carlos Mendonça Neto, nomeado a frente da ADEAL. Como ponto positivo, o governo teria um candidato que tem muita aceitação do público e largaria como favorito. Como ponto negativo, Alfredo não representaria plenamente o projeto dos Calheiros, e como prefeito se tornaria uma liderança independente.

O segundo seria o ex-ministro do Turismo, Mauricio Quintella, que assumirá na segunda a secretaria de Infraestrutura do Estado. Como ponto positivo, Mauricio tem a confiança dos dois Renans, e um bom eleitorado em Maceió. Como ponto negativo, Mauricio teria que se afastar do rótulo da “velha política”.

O terceiro seria Alexandre Ayres, que será o novo secretário estadual de Saúde. Como ponto positivo, ele tem a preferência do grupo mais próximo do governador Renan Filho, é o nome que está sendo construído. Como ponto negativo, ele é um ilustre desconhecido de grande parte da população de Maceió, um poste. E para eleger um poste, na política, é necessária muita aprovação popular e aporte financeiro.

E para o leitor, quem destes três nomes tem condições de ser o candidato dos Calheiros para a Prefeitura de Maceió?