Foto: Pei Fon/ Secom Maceió Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Prefeitura de Maceió

De 2013 a 2018, a Gestão Rui Palmeira em Maceió concedeu mais reajuste a servidores públicos do que os governos federal e estadual no mesmo período. Ao todo, a Prefeitura Municipal da capital alagoana registrou 26,5% de aumento, o estado 16,8% e o governo federal 15,8%.

No ano passado, a folha salarial dos efetivos e aposentados do município de Maceió atingiu o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que junto com o Poder Legislativo chega agora em 2019 em 62%, quando o permitido por lei é até 60% (54% o Poder Executivo e 6% o Poder Legislativo).

Início desse mês de fevereiro, o Governo de Alagoas, através do secretário de estado da fazenda, George Santoro, assinou carta ao STF, junto a outros estados, pedindo permissão para reduzir a jornada de trabalho e consequentemente de salários do funcionalismo.

O cenário é preocupante na grande maioria dos municípios e estados da federação. 

A penalidade para quem descumpre a LRF é grande e a consequência é o desequilíbrio fiscal e financeiro das contas públicas.