Assessoria E1f262e6 df29 4fbd 9e57 9870462dba0a

 


O deputado federal Marx Beltrão (PSD) concedeu na manhã desta segunda-feira (11) entrevista ao programa Cidadania, do radialista França Moura. Na entrevista, Beltrão também respondeu a questões do jornalista Bernardino Souto Maior e do radialista Jurandyr de Lima. O programa é transmitido pela Internet para dezenas de rádios no interior de Alagoas e conta com a participação de ouvintes e internautas de todo o estado.

Em seu perfil no Instagram, Marx Beltrão comentou a entrevista concedida aos radialistas alagoanos: “conversa franca e necessária, debatendo Alagoas e o Brasil hoje no programa do mestre França Moura, ao vivo, com os comunicadores Kennedy Luiz, Jurandyr de Lima e Bernardino Souto Maior. Prestar contas de nosso mandato e dialogar com a sociedade via imprensa é fundamental para a transparência na política”, disse o parlamentar.

No bate-papo, o parlamentar falou sobre temas como a crise no bairro do Pinheiro e a apuração sobre o golpe que prejudicou milhares de estudantes de Alagoas com diplomas falsos de curso superior. “Em Brasília estou atuando nestas frentes, buscando instalar uma CPI para apurar a tragédia de Brumadinho e o caso do Pinheiro, já que se suspeita que a atividade de mineração também teria relação com o afundamento do bairro em Maceió”, disse o deputado.

Sobre a atuação em Brasília, Beltrão renovou perante os ouvintes do programa a sua disposição em ser, novamente nesta nova legislatura, o “deputado que mais garantiu recursos para ações sociais e de infraestrutura para Alagoas”. Ouvintes contataram o programa para comentar o empenho do deputado em, também, alocar recursos federais diversas regiões do estado como o Agreste e Arapiraca.

Marx Beltrão também defendeu o debate sobre as reformas que devem ser propostas nas próximas semanas pelo presidente Bolsonaro ao Congresso Nacional, reiterando que “é necessário aprovar mudanças que garantam o crescimento econômico mas que não penalizem a maioria da população, especialmente os que recebem os menores salários e que não podem ser prejudicados” concluiu o parlamentar.