Foto: Cortesia Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Nutricionista Luana Pacheco

“Perca tantos quilos em uma semana”, “atriz revela segredo para chapar barriga antes do Carnaval”, “exercícios e dietas para perder peso”. Entre essas e outras tantas dicas e segredos compartilhados em revistas, sites, e jornais, as pessoas buscam constantemente métodos para emagrecer e atingir o padrão dos famosos da TV ou internet.

Entretanto, na contramão de quem busca perder aqueles quilinhos em excesso, tem aqueles que buscam, a todo custo e com certa dificuldade, sair daquele grupo considerado abaixo do peso e ganhar alguns números a mais na balança.

Em entrevista ao CadaMinuto, a universitária Letícia Dias* (nome fictício), revela que desde a infância tem dificuldade em ganhar peso ou até mesmo mantê-lo. “Sinto como se a ausência de uma das refeições diárias me fizesse perder uns três quilos (risos)”, relata a estudante.

Além disso, Letícia conta que já fez uso de diversas medicações, desde a infância, com o intuito de abrir o apetite e, assim, conseguir chegar ao peso ideal. “Sempre sofri, principalmente na época da escola e até mesmo no círculo familiar, com comentários em relação ao meu peso. Hoje, sinto que isso afeta de alguma forma em como me vejo no espelho. Vez ou outra, fico observando onde preciso engordar; que aquela roupa não vai ficar bem ou o que as pessoas podem comentar. Então, desde criança, costumo usar medicamentos que estimulam o apetite”, explica Letícia.

Questionada se já recorreu à métodos com profissionais da área, como nutricionista ou educador físico, Letícia conta que sempre foi adepta aos exercícios físicos, mas que nunca recorreu a um nutricionista. “Sempre acreditei que acrescentando mais alimentos na minha rotina seria o suficiente. Dava uma pesquisada no famoso Dr. Google, e achava que por conta própria conseguiria reverter essa situação. Até cheguei a ganhar alguns quilos, mas logo mais perdia esses números a mais na balança. Já os exercícios de musculação sempre me ajudaram no estímulo e ganho de peso. Com o tempo, me dei conta que era só

‘largar’ a academia que meu corpo voltava ao que era antes: abaixo do peso”, informou.

A Nutricionista Luana Pacheco revelou, em entrevista a reportagem do CadaMinuto, que o grande segredo para quem quer engordar de uma maneira saudável, é não prolongar as refeições, e buscar sempre comer de três em três horas.

“Para ganhar massa muscular não é só apenas recorrer para uma dieta e exercício físico, é preciso realizar uma bateria de exames, até mesmo hormonais, porque odesenvolvimento da massa de qualquer pessoa ocorre por fatores genéticos e principalmente por fatores hormonais, além do treinamento específico para o desenvolvimento da mesma. Claro que também existe o uso de suplementação, para aumentar o desempenho do paciente, mas que apenas só pode ser prescrita por um nutricionista ou médico, para garantir que o uso seja seguro (whey protein)”, esclareceu a Nutricionista.

“A alimentação é a base do nosso corpo para tudo no nosso dia a dia, por isso, aliar uma dieta saudável e equilibrada à prática de musculação ou qualquer outro tipo de exercício físico é extremamente importante, pois a construção muscular é muito mais sobre o que comemos do que a forma como treinamos. Afinal, nosso corpo só funciona bem com uma boa fonte de nutrientes, que nos dá energia suficiente para garantir um bom desempenho durante o exercício”,contou Luana.

Sobre os desafios enfrentados durante a dieta, Luana explica que é preciso fazer atividade física sem exagero demais, pois se não houver o aumento da alimentação, pode-se levar a um déficit de calorias adequado para o ganho de peso.


A reportagem questionou a nutricionista sobre a maneira em que é feita a dieta e os principais alimentos que podem ser utilizados durante o processo.

Conforme Luana, a dieta tem que ser rica em proteínas magras (ovo, carne, peixe, frango), os carboidratos, por exemplo, tem papel importante de economizar as proteínas no sentido de estas se destinarem ao processo de síntese muscular, e assim elas não seriam usadas como fonte de energia. Porém, carboidratos simples (arroz, pão, macarrão) são usados com parcimônia, indicados no processo de aumento de massa muscular apenas no pós-treino imediato.

“Outros exemplos são o mel, as hortaliças e tubérculos, como a batata doce, que é rica em amido. Antes do treino, o ideal é escolher alimentos com baixo índice glicêmico, como pães integrais, cereais, batata doce ou frutas. Estes alimentos têm digestão mais lenta, portanto o açúcar será liberado no organismo aos poucos, mantendo a energia constante. As gorduras possuem papel importante na geração de energia sem pico glicêmico, o importante é o consumo de gorduras poli-insaturadas e monoinsaturadas (ômegas 3, 6 e 9), pois contribuem para o ganho de massa muscular e preservação da saúde. Alimentos ricos em vitaminas, minerais, fibras e antioxidantes também são importantes para esse desenvolvimento”, justificou Luana Pacheco.

Sobre o tempo em que pode ser notado o resultado da dieta, a nutricionista explica que pode o caso variar de paciente para paciente, ”assim como existe a dificuldade para perder peso, existe também questão de tempo, dedicação, e foco para pacientes que queiram ganho de massa muscular”, concluiu.

*estagiárias sob a supervisão da editoria