Fd72f4df cba7 4408 bd24 6f1b40254c08

Rosiane Rodrigues, ativista negra do Rio de Janeiro, escreve:

 

Dez meninos (em sua grande maioria) negros e pobres, em busca do sonho de serem campeões - da bola e da vida.

Dez  famílias destroçadas e uma nação inteira de luto. 

Em meio à tragédia, meu menino - que também cultiva o sonho de ser campeão - me mostra postagens no twitter do tipo "tem que morrer mais" e "Força, fogo!". As lágrimas de pesar pela morte dos jovens se misturam as da revolta pela existência de uma gente assim. O estômago embrulhado de nojo.

Que dejetos travestidos de seres humanos são esses? Em que momento a escrotidão e imundície se tornaram moda nas redes sociais? 

Isso é mais, muito mais, que racismo. É o ódio que retira qualquer constrangimento frente à dor do outro. É escandaloso e abjeto termos que dividir o planeta com essas aberrações.
Que toda nação rubro-negra seja acolhida. Que todas as famílias que perderam seus campeões sejam consoladas. Que todos os meninos sejam e estejam paz na outra vida. 
No entanto, a nós, fica a pergunta que não pode nem deve calar: Até quando o cheiro da morte acompanhará as nossas crianças?